Rolinhos de cenoura com canela

Rolinhos de cenoura são uma versão um pouco mais rica dos famosos cinnamon rolls. Com uma massa bem macia e o tradicional recheio de canela, eles ficam ótimos pro café da manhã ou pra beliscar a tarde…
rolinhos de cenoura

A massa é um pouco diferente dos cinnamon rolls que já apareceram por aqui, mas esse detalhe varia mesmo nos rolinhos tradicionais. É tipo pão de batata, um nome só mas várias receitas parecidas. A grande diferença nesses é a cenoura ralada que vai na massa. Eu achei que fica bem suave…. Tanto que o sabor da cenoura nem aparece! Então se você está procurando um jeito de comer vegetais, tá ótimo. Se você quer realmente o sabor da cenoura, aconselho aumentar a quantidade pra pelo menos uma xícara e meia!

Outra mudança que você pode (ou não) fazer? Aumentar o açúcar. A receita original leva uma cobertura de cream cheese e açúcar, e por isso a massa não é tão doce. Como eu queria um pãozinho pro café, pulei a cobertura.. Só que aí a massa ficou no limite do sem doce. Não é ruim, mas podia ser melhor. Pra quem não gosta de coisas muito doces, deixe como está na receita abaixo; quem for formiga pode dobrar o açúcar da massa.

Último detalhe? O modo de espalhar o recheio com a manteiga derretida e o açúcar depois faz com que ele seja muito sutil no resultado final. De novo, a intenção era um pãozinho pro café. Pra quem quer um recheio mais aparente vale misturar a manteiga, sem derreter, com o açúcar e a canela e passar essa pasta na massa. Fica mais difícil a montagem, mas o recheio aparece mais depois. De novo: escolhas. Faça a sua conforme seu gosto e tenha os melhores rolinhos de cenoura pro seu lanche!
rolinhos de cenoura

Rolinhos de cenoura – original aqui

1 xícara de leite morno
2 1/4 colheres chá de fermento biológico seco
1/4 colher chá de açúcar refinado
20g de manteiga sem sal*
1 ovo grande
1 colher chá de baunilha
3 xícaras de farinha de trigo
1/4 xícara de açúcar
1/2 colher chá de sal
3/4 colher chá de canela – opcional
1 xícara de cenoura ralada

recheio:
manteiga derretida
1 xícara de açúcar
1 colher sopa de canela

*pode ser derretida ou macia

Misture o leite com o fermento e a colher de açúcar e deixe descansar por 5 minutos. Acrescente o ovo, a baunilha e a manteiga e misture bem. Em uma vasilha junte a farinha com o açúcar, o sal e a canela e misture também. Junte os líquidos à farinha e misture até incorporar e então junte a cenoura. Comece a sovar a massa assim que sentir que é possível; talvez precise de mais farinha, mas tente adicionar o mínimo possível. Sove a massa até obter uma bola lisa e bonita. Deixe em uma vasilha enfarinhada e coberta com plástico por cerca de 1-2h, até dobrar de tamanho.

Abra a massa até obter um retângulo com 0,5cm de espessura. Pincele com a manteiga derretida e cubra com o açúcar e a canela. Enrole, como um rocambole e corte em 8 fatias. Ajeite os rolinhos em uma assadeira untada com manteiga. Cubra novamente com plástico e deixe descansar mais 30min. Então leve ao forno, já aquecido a 200C, por cerca de 30min.

PS: Se quiser, antes de levar ao forno polvilhe mais um pouco de açúcar e canela por cima dos rolinhos.

 

Jujuba de Feijão! É isso mesmo, pode acreditar….

Jujuba de feijão é gostoso gente! Eu prometo! Não é bem jujuba, e é sim feita de feijão… Mas eu garanto que não parece nada com o feijão do almoço. E que vai ser a versão doce do amendoim salgadinho: pra comer sem parar, vendo um filme ou lendo um livro!
jujuba de feijão

Pra quem precisa de mais um incentivo pra acreditar nessa receita: ela veio da Simone do Chocolatria. Pois é, na verdade foi só por isso que eu confiei que jujuba de feijão poderia ficar gostoso… E porque eu sou meio a louca do vamos testar essa receita que vai contra todo o meu censo comum.

Mas o fato é que o sabor do feijão é completamente obscurecido pela canela. Então tá tudo explicado né? Docinhos macios cobertos com açúcar e canela e pronto, já esquecemos que era feijão! Tem a história direitinho de como essa receita surgiu lá nos primórdios do Chocolatria; clica no link pra conhecer! E aqui vai uma versão resumida: essas jujubas são a versão possível de fazer em casa de um doce chamado Amanattō, que é praticamente feijão azuki cozido em calda e seco em cobertura de açúcar.

Pra quem tá confuso, o feijão é consumido como base para muitos doces no Japão.

As quantidades abaixo rendem cerca de 2 xícaras de jujubas, mas dá pra reduzir pela metade (ou 1/4) caso você ainda esteja em dúvida. Ou dobrar a receita caso já tenha se apaixonado…. E sim, eu mudei alguma coisa na receita. A Simone usou feijão de caixinha, que já vem pronto, enquanto eu cozinhei o feijão em casa. Mas né? Não acho que isso mude grandes coisas no resultado final. Se você prefere a praticidade da caixinha, fique a vontade. Não gosta de comida pronta e prefere fazer a sua? Meu conselho é: tenha uma panela de pressão funcionando! 😉
jujuba de feijão

Jujuba de Feijão – original aqui

3/4 xícara de feijão cru*
1 xícara de água
2 xícaras de açúcar – usei cristal

1 1/2 xícara de açúcar refinado
1 1/2 colher sopa de canela

*Para duas xícaras de feijão cozido. Se for usar de caixinha que já vem cozido, já mede as duas xicaras. Para mais infos sobre o feijão vide o texto acima.

Deixe o feijão de molho em uma vasilha com água por pelo menos 8h. Eu costumo deixar de um dia pro outro. Descarte a água do molho e cozinhe o feijão até ficar macio. Lave o feijão já cozido e escorra para retirar bem o caldo.

Junte as duas xícaras de açúcar com a água e leve ao fogo apenas até ferver. O objetivo é apenas derreter o açúcar. Retire do fogo e junte essa calda e o feijão cozido em uma vasilha com tampa. Deixe descansar, fora da geladeira, por mais 24h.

Eu não usei a calda toda, apenas o suficiente para cobrir o feijão. O restante guardei numa garrafinha com tampa, na geladeira, e deixei pra fazer drinks.

Coe o feijão da calda e deixe escorrer novamente. Misture o açúcar refinado com a canela e então misture o feijão (que já vai estar gostoso nessa etapa). Misture bem para cobrir todos os grãos com o açúcar com canela. Passe por uma peneira, apenas para retirar o excesso de açúcar. Forre uma assadeira com papel alumínio e transfira os feijões açucarados pra ela. Leve ao forno, aquecido a 180C, por 30min. Esse tempo deve ser suficiente para derreter o açúcar. Com uma escumadeira “pesque” os grãos e volte com eles para o açúcar com canela que sobrou. Misture novamente para cobrir todos os grãos e pronto!

Eles duram alguns dias em um pote bem fechado, mas espere esfriar completamente antes de guardar!

——————————
Em 2015: Caipirinha de cerveja

Salvar

Salvar

Salvar

Chá com rum, simples assim e gostoso também!

Chá com rum, e sim, é tão simples quanto parece. Mas é tão gostoso que não podia deixar essa passar…
chá com rum

Essa receita veio do livrão de drinks daqui de casa, o Guia Internacional do Bar, do Michael Jackson. E sim, esse livro é mais velho que eu. E não, não é aquele Michael Jackson, é um bem menos famoso…. Acontece que, quando faltam ideias pro drink do fim de semana, eu abro esse livro ao acaso e procuro alguma coisa legal pra testar. E da última vez apareceu esse chá com rum.

No início achei que era muita encheção colocar um simples chá batizado num guia internacional. Mas como o inverno tem se mostrado animado esse ano, achei que valia pelo menos tentar. E sim, vale muito a pena! Vale ser colocado no livro. E vale você experimentar!

O nome original é em inglês, e dá spoiler: Ginger Rum Tea, que daria pra ser traduzido como chá de gengibre com rum. Mas adivinha só? O chá não é de gengibre! A raiz entra como coadjuvante pra esquentar ainda mais a bebida. Então fiquemos com a versão chá com rum mesmo. E além do nome mudei um detalhe também. O livro manda usar gengibre seco, que não tenho, nem sei se quero. Então usei gengibre em calda, que todo mundo ama por aqui. E aproveitei e adocei o chá com um pouco dessa mesma calda.

Quer fazer seu próprio gengibre em calda? Aqui tem a receita!

Pra quem não tiver gengibre em calda em casa, dá pra usar o cristalizado; e adoçar o chá com açúcar mesmo. Ou não adoçar. Depende do eu gosto. Dá pra suar gengibre fresco? Até dá. Mas eu aconselharia a fazer o doce em calda primeiro e aproveitar a maravilha que ele é…rs

Chá com Rum

250ml de água
1 saquinho de chá preto
1 1/2 dose de rum
1/2 dose de calda – mais nas notas acima
fatias de gengibre em calda – receita aqui

Esquente a água até começar a ferver. Desligue o fogo, junte o chá e deixe descansando por 3 minutos. Enquanto isso em uma caneca junte as fatias de gengibre, a calda e o rum. Complete com o chá e sirva em seguida.

——————————
Em 2014: Leite condensado caseiro

Salvar

Salvar

Salvar

Mocha Brownie, ou brownie com muito café!

Mocha brownie, ou brownie feito com muuito café! Ele é docinho, com bastante chocolate, mas com o gosto do café sempre presente.
mocha brownie

Mocha é, na verdade, um tipo de grão de café com sabor achocolatado. Ele recebe esse nome por conta da região de onde é exportado. Em alguns locais Mocha pode ser tanto café feito com esse grão, quanto café feito com chocolate. Mas também pode ser um tipo de bebida, que mistura café, leite e chocolate em pó, ou calda de chocolate ou ele puro mesmo. Essa bebida também pode levar o nome de Mochaccino; e sua diferença para o cappuccino é que o primeiro leva  creme batido no lugar da espuma de leite do segundo.

E o que tudo isso tem a ver com esses brownies? É que em inglês acabou-se criando um neologismo para quando uma receita mistura chocolate e café: mocha! Assim um bolo de chocolate com café pode ser chamado de mocha cake (que nome horrendo). E o brownie com café na massa, e no glacê, acaba virando mocha brownie. Pra variar eu tive uma grande dificuldade em traduzir tudo isso num nome, então preferi manter o original e contar a historinha toda.
mocha brownie

Agora a receita! Não mudei quase nada…

+  Pra variar, o cacau virou chocolate 50%, mas tem as duas opções na receita abaixo pra todo mundo poder fazer.
+ O café pode ser espresso ou coado, mas só use o coado se for bem forte. Senão o sabor não aparece.
+ O açúcar mascavo pode ser trocado pelo branco; mas evite fazer isso. Se vai trocar porque não tem em casa, ok. Mas se vai trocar porque não gosta do sabor do mascavo, esqueça. O sabor dele não aparece na receita e ele contribui pra umidade do brownie.
+ Aliás, falando em umidade. A textura é bem úmida e densa. Quem prefere um brownie mais sequinho, tipo bolo, pode deixar mais uns 5min no forno.
+ E não pule o glacê! Ele é mega simples e faz a diferença!

Mocha Brownie – original aqui

1/4 xícara de açúcar branco *
1/4 xícara de açúcar mascavo
40g de manteiga sem sal
2 colheres sopa de café forte – ou espresso
1/2 xícara de chocolate em pó 50% *
1 colher chá de café instantâneo
2 ovos
1/2 colher chá de baunilha
1/2 xícara de farinha de trigo

*se for usar cacau troque para: 4 colheres sopa de cacau e 1/2 xícara de açúcar branco (cristal ou refinado, tanto faz)

Leve a manteiga e os açúcares ao fogo médio até começar a borbulhar. Vai separar e ficar muito feio, parecendo que deu errado, mas vai dar certo no final. Mexa um pouco pra esfriar e junte os cafés e a baunilha, misturando bem. Junte os ovos, um a um, e o chocolate e misture bem, novamente. Por fim acrescente a farinha e misture apenas até incorporar. Transfira para uma forma de 11x11cm, untada, e leve ao forno aquecido a 200C por 30min. Tire da forma e deixe esfriar um pouco.

Se não tiver uma forma tão pequena veja no vídeo como eu fiz pra resolver isso.

Glacê de café

1/2 xícara de açúcar de confeiteiro
cerca de 1 colher sopa de café

Misture os dois até obter uma consistência que te agrade e cubra o brownie. Complete com alguns granulados.

——————————
Em 2014: Abobrinha Recheada

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Biscoitinhos integrais, feitos com fermento natural

Biscoitinhos integrais mega crocantes, no estilo cracker. Sabe, aquele que tem um nome nesse estilo? Simplificando essa receita dá pra fazer beeem parecido.
biscoitinhos integrais

Isso porque esses biscoitinhos crocantes são bem mais ricos que os crackers comprados prontos. Eles são integrais, então são mais complexos nutricionalmente. Mas podem não ser se você preferir usar apenas farinha branca. E são saborizados com ervinhas secas, o que deixa o sabor bem mais atraente. Quer biscoitos neutros que vão bem com tudo? É só pular as ervas.

E são feitos com levain não alimentado! Sabe quando tá no dia de alimentar seu fermento mas você não tá afim de fazer pão? E aí tem que jogar parte do fermento fora…. E dá uma dó…. Oooou você faz esses biscoitos! A massa é super simples de fazer, aproveita o levain que iria embora e eles ainda duram bem quando guardados em uma lata!

Agora algumas dicas:

Faça bem fininhos! Eles são mais gostoso quando bem crocantes e um biscoito crocante de massa espessa fica impossível de morder.

E não esqueça de furar a massa antes de levar ao forno. Isso vai garantir ainda mais crocância; que é o maior charme dessa receita.
biscoitinhos integrais

Biscoitinhos integrais – original aqui

1/2 colher chá de sal
1 xícara de farinha de trigo*
1 xícara de levain – sem alimentar
40g de manteiga pommade
1 colher sopa de ervas secas – usei orégano
sal e azeite

*você pode usar farinha branca e/ou integral. Normalmente a proporção é 40% integral e 60% branca, mas eu usei 25% (1/4 xícara) de farinha integral para 75% (3/4 xícara) de farinha branca.

Misture a farinha, o levain, e a manteiga. Acrescente a meia colher de sal e as ervas e amasse até a a massa se juntar. Faça um quadrado com a massa, cubra com filme plástico e leve para a geladeira por cerca de 30min.

Sobre um pedaço (grande) de papel manteiga abra a massa, com um rolo, até consegui um quadrado de massa de1-2mm. É bem fininha mesmo. E tente formar um quadrado direitinho; eu precisei cortar a massa e rearranjar uns pedaços pra isso. Não tem problema. Transfira o papel com a massa para uma forma e corte os biscoitos; é mais fácil cortar já na forma do que transferir cortado. E não precisa separar cada quadradinho, é só quebrar no corte depois. Fure cada biscoito com um garfo pra garantir mais crocância. Pincele tudo com azeite e salpique um pouco de sal por cima. E então leve ao forno, aquecido a 200C, por cerca de 30min; ou até eles fazerem um estalo quando você quebrar.

—————————–
Em 2015: Abóbora assada

Salvar

Salvar

Salvar

Pão de Ló de chocolate, pra anotar no caderninho!

Pão de ló de chocolate é daquelas receitas basiconas e mega versáteis que é sempre bom ter na manga.
pão de ló de chocolate

É a mesma receita de pão de ló normal (ovos, farinha e açúcar) só que com cacau adicionado. E aí começar a maior mudança que eu fiz na receita original: eu usei chocolate em pó no lugar do cacau. E aproveito pra explicar um pouco melhor essas diferenças.

Cacau em pó é cacau puro, alcalinizado ou não. Mas ainda assim é cacau sem nada adicionado. Chocolate em pó pode variar um pouco mais. Existem chocolates em pó que levam leite em pó na mistura e chocolates que são apenas cacau e açúcar. Independente do que vai junto do cacau, a porcentagem inscrita na embalagem vai ser a quantidade de cacau da mistura.

Achocolatados como Nescau e Toddy são outra coisa, e tem uma lista de ingredientes enorme. Evite se puder.
Pão de ló de chocolate

O chocolate que eu uso é o chocolate em pó 50% da Melken, que leva apenas cacau e açúcar na mistura. Isso quer dizer que quando eu pego uma xícara desse chocolate eu tô, na verdade, pegando meia xícara de cacau em pó e meia xícara de açúcar; já misturados. Eu uso esse chocolate porque aqui na cidade as embalagens de cacau puro são de apenas 200g, e esse eu compro o pacote de 1kg. Muito mais prático (e barato) e sem comprometer a qualidade das receitas. Só que aí preciso fazer equivalências em receitas que pedem apenas cacau. Eu considero o açúcar que vem misturado no chocolate e reduzo essa medida da quantidade pedida de açúcar.

Na receita abaixo dá pra ver que coloquei as medidas do chocolate 50% (4 colheres = 2 colheres de açúcar + 2 colheres de cacau), e uma nota com as medidas pra quem for usar cacau puro.

Além dessa mudança a única outra foi passar as medidas para xícaras e colheres, pra facilitar pra todo mundo. E não precisou mais nada. O resultado foi esse pão de ló de chocolate alto, e extremamente leve! E isso é ótimo pra quem quer confeitar bolos, já que ele não vai pesar em cima do recheio.

E se quiser fazer bolos maiores no AsEasyAsApplePie tem as proporções pra cada tamanho de forma; daí é só calcular a quantidade dos demais ingredientes baseado no número de ovos:

15cm – 3 ovos
22cm – 5 ovos
24cm – 6 ovos
26cm – 7 ovos

Pão de Ló de chocolate  – original aqui

3 ovos
1/2 xícara de açúcar refinado*
1/2 xícara + 1 colher chá de farinha de trigo
4 colheres sopa de chocolate em pó 50%*

*Se for usar cacau em pó puro mude para 3/4 xícara de açúcar e 2 colheres sopa de cacau

Bata os ovos com o açúcar até formar um creme mais firme, quase como claras em neve. Peneire o chocolate sobre os ovos e misture delicadamente, com um fouet ou uma espátula, até ele ser todo incorporado. Repita o procedimento com a farinha. Transfira para uma forma de 15cm, untada, e não nivele a massa, nem bata a forma. Leve ao forno aquecido a 200° por cerca de 30min, até assar completamente. Desligue o forno e espere 10min. Só então tire o bolo do forno e deixe esfriar antes de desenformar.

Sabia que pão de ló vira biscoito champanhe? Aqui tem tudo explicado!

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Massa de pizza da Annabel, pra qualquer recheio

Massa de pizza da Annabel é uma massa básica pra combinar com qualquer recheio e fácil pra todo mundo conseguir fazer!
Massa de pizza da Annabel

Por aqui já tivemos pizza improvisada com massa folhada e pizza sourdough pra iniciantes em fermentação natural… Mas demorou pra aparecer a massa mais básica de todas, feita com fermento biológico seco, aquele de pacotinho. E pra isso essa massa de pizza da Annabel me pareceu uma boa opção: ela tem poucos ingredientes e não precisa de muito tempo de fermentação pra ficar macia e gostosa!

Além disso tem um método bem fácil: não precisava de dupla fermentação, não precisa de horas sovando pra pegar liga, e é moleza pra abrir. A receita original manda abrir com o rolo mas nem precisei; coloquei a massa na forma untada e fui espalhando com as pontas dos dedos mesmo. Assim consigo controlar melhor pra ter um meio mais fino e bordas mais gordinhas, que é como se gosta da pizza por aqui. Quando você for fazer a sua vale fazer como você preferir.

Por todos esses detalhes eu não mudei nada na receita original, mas mudaria… É que eu gosto quando a pizza tem a massa ligeiramente doce. Acho legal o contraste da massa mais adocicada e levinha com o recheio mais salgado e pesado (em termos de sabor). Se você também prefere massas assim meu conselho é dobrar a quantidade de açúcar, pelo menos. Do jeito que está na receita abaixo a massa não tem nenhum sabor adocicado, e o açúcar serve mais pra ajudar na textura e na ação do fermento.
Massa de pizza da Annabel

Massa de Pizza da Annabel – original aqui

1 xícara de água morna
1 colher chá de fermento biológico seco
1 colher chá de açúcar
2 1/2 xícara de farinha de trigo
1 colher sopa de azeite
1/2 colher chá de sal

Junte a agua, o açúcar e o fermento e deixe descansar por cerca de 10min para ativar o fermento. Junte o restante dos ingredientes e vá sovando a massa até ela ficar lisa e coesa. Cubra a massa com azeite e deixe descansando, em uma vasilha coberta, até que dobre de tamanho. A minha demorou cerca de 1h em um dia frio.
Abra a massa em uma forma (ou pedra) e cubra com o seu “sabor” favorito. Eu usei molho de tomate, muçarela, calabresa e orégano. Leve ao forno, já aquecido a 230°, por cerca de 15min.

——————————
Em 2014: Medialunas argentinas
Em 2015: Drink de maçã verde

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Harvard, o drink não a universidade

Harvard é daqueles drinks fáceis de fazer, que dão um dúvida se vão ficar bons ou não, mas que parecem muito chiques depois de servidos… E sim, acabam ficando gostosos.

Deu pra captar o estilo? Taça alta, drink translúcido, aquela espiral de limão… Parece algo difícil e caro, mas no fundo é conhaque com vermute!! Simples né? Tudo bem que também tem o bitter, ingrediente mais difícil de achar, mas fácil de fazer em casa.
Harvard

Sim! Dá pra fazer esse tal bitter em casa. Isso porque ele nada mais é que uma infusão a frio muito amarga e, as vezes, um pouco herbal. Eu faço deixando cascas de cítricos de molho na vodka por semanas. Só isso. O que usei nesse Harvard foi de lima da Pérsia; aproveitei que apareceram umas aqui em casa e coloquei as cascas (bem lavadas) em uma garrafa e cobri com vodka. Deixo de molho até não sentir mais o cheiro da vodka e sim da lima. Fica extremamente amargo, e por isso que só se usa 1-2 dashes normalmente.

Dashes são espirros, sabe quando você vira a garrafa rapidinho e cai só um pinguinho da bebida? É isso. Pra quem ama uma medida exata um dash é cerca de 1ml. Dá pra não usar? Dá. Mas ele dá toda uma graça diferente, tirando o excesso do doce do vermute e equilibrando tudo.

Ah sim, o nome! Esse foi fácil né? Nem precisou tradução. É o nome da universidade mesmo, e foi batizado porque em homenagem a ela sim. É um drink antigo, parece que em 1895 já tinha registro dele, mas garanto que não pesquisei as datas muito a fundo. Só queria garantir que tinha uma relação com a Harvard famosona mesmo….rs

Harvard – original aqui

1 dose de conhaque
1 dose de vermute doce
2 dashes de bitter – ver texto ali de cima
1 espiral de casca de limão

Em um copo alto, e com gelo, misture todos os ingredientes até gelarem. Transfira para uma taça rasa, sem o gelo. Finalize com uma espiral de casca de limão.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Torta Crumble de Peras pra esquentar a sobremesa

Torta crumble de peras: massa fininha e crocante, peras temperadas no recheio e uma cobertura crumble docinha pra finalizar!
torta crumble de peras

Acho que nem tem muito o que falar: é uma torta de pera com cobertura diferentona e pronto. Prato ideal pro inverno já que você pode servir ainda morninha, com ou sem sorvete acompanhando. E que também vale pra dias mais quentes, já que dá pra deixar esfriar completamente antes de servir.

Dica extra: também dá pra esquentar no forno no dia seguinte que fica ótima! É só não cobrir para garantir que o crumble fique crocante.
torta crumble de peras

Essa torta veio do JoytheBaker, e não mudei muitas coisas comparando com a original; embora tenha mexido num ingrediente meio básico. O nome original seria torta crumble de peras e Bourbon. E eu usei foi conhaque mesmo. Você tem Bourbon em casa? Vale usar ele mesmo. Tem rum? Vale também! As outras mudanças foram adaptações nos temperos (tirei o cardamomo) e açúcares (menos mascavo) para adaptar aos hábitos e gostos daqui. Tudo em nome do equilíbrio. E por isso mesmo tirei as nozes do crumble. Na minha cabeça nozes e peras não combinam de jeito nenhum! Pra quem acha que sim é só adicionar 1/2 xícara de nozes picadas junta da aveia.
torta crumble de peras

Torta Crumble de Peras – original aqui

Massa:
1 1/4 xícara de farinha de trigo
1 colher sopa de açúcar
1/2 colher chá de sal
100g de manteiga sem sal gelada
1/4 xícara  de buttermilk*

*Para fazer o buttermilk misture 1/4 xícara de leite com 1/2 colher sopa de limão

Misture os ingredientes secos e acrescente a manteiga em cubos; vá esfarelando a manteiga na farinha até parecer uma farofa. Acrescente o buttermilk aos poucos e vá amassando até conseguir uma massa coesa. Não precisa usar todo o buttermilk, nem sovar a massa. Se ficar muito seca, acrescente leite bem aos poucos. Massa pronta, enrole em filme plástico e leve para a geladeira por 30min.

Recheio:
3 colheres sopa limão
5 peras grandes
1/2 xícara de açúcar cristal
5 colheres sopa de açúcar mascavo
2 colheres sopa farinha de trigo
1/2 colher chá de gengibre em pó
1/4 colher chá de noz moscada
1 pitada de pimenta do reino
1/2 colher chá de sal
3 colheres sopa de conhaque
1 colher chá de baunilha

Descasque e pique as peras em cubos; junte o limão e 2 colheres de açúcar e deixe descansar 20min. Passado o tempo, junte o restante dos ingredientes e misture bem, encobrindo toda a pera.

Crumble:
3/4 xícara de farinha de trigo
3/4 xícara de aveia em flocos
2/3 xícara de açúcar refinado
1 pitada de sal
50g de manteiga sem sal gelada

Misture tudo, esfarelando a manteiga na farinha até formar uma farofa.

Montagem:
Abra a massa com um rolo e forre o fundo de uma forma de cerca de 24cm. Corte as rebarbas e já acerte totalmente a massa. Misture 1/2 xícara do crumble com as peras e recheie a torta nivelando o melhor que puder. Cubra tudo com o restante do crumble, tentando não deixar nenhuma pera de fora. Leve ao forno aquecido a 200C por cerca de 30min ou até doure.

Se o seu forno, como o meu, não doura mas tem grill: asse a 200C até que a lateral da massa comece a dourar; então ligue o grill por alguns minutos até dourar o crumble.

Deixe a torta esfriar por uns 30min antes de servir, isso vai ajudar o recheio a não ficar tão líquido.

Para mais tortas é só procurar na categoria Tortas.

Salvar

Salvar

Carolinas de Queijo e calabresa

Carolinas de queijo e calabresa pra, honestamente, comer tudo e uma vez só porque esse trem é bom demais!
Carolinas de Queijo e Calabresa

Primeiro uma confissão: carolinas na verdade são doces… A carolina típica é uma mini éclair, recheada e glaceada. Ou seja, é feita da mesma massa das famosas bombas de chocolate, a tal pate a choux,  mas no lugar do formato alongado é feita em formato redondo e menorzinha. Elas também são a base dos profiteroles, aquela sobremesa famosona.

Favor não confundir com a carolina, doce típico da Paraíba, feito com açúcar e coco queimado. Esse só conheço de nome, mas pretendo fazer um dia…

A receita de hoje é uma massa muito parecida com a pate a choux, com algumas ligeiras mudanças nas proporções. Mas com a massa pronta, antes de montar pra assar, é adicionado um “recheio salgado”; no caso queijo, calabresa e uns temperinhos. A original leva apenas queijo e cebola, mas eu me empolguei…

Por aqui (MG) também tem as tais broas carolinas, é uma carolina meio salgada meio doce também, mas feita com fubá e erva doce.

Dicas pra facilitar a vida na hora de fazer suas carolinas de queijo: eu queria o queijo aparecendo na massa, e não totalmente diluído. Então usei cubinhos de queijo e aproveitei e cortei a calabresa do mesmo jeito. Só que isso dificulta horrores na hora de fazer a carolina com saco de confeitar. Então prefira usar colheres pra modelar a massa. Se preferir carolinas mais homogêneas, dá pra ralar o queijo e desfiar a calabresa e vai dar tudo certo. E sim, essa massa é mais chatinha de dourar, a minha nem chegou perto. Então se quiser garantir uma cor mais bonita aumente bem a temperatura do forno nos últimos 5 minutos, ou use o grill.
Carolinas de queijo e calabresa

Carolinas de Queijo e Calabresa – original aqui

1/2 xícara de água
25g de manteiga
1/2 xícara de farinha de trigo
1/2 colher chá de sal
2 ovos
1/2 xícara de queijo prato – ralado ou em cubos
1/2 xícara de calabresa em cubos
2 colheres sopa de cebola picadinha
1 colher chá de orégano

Junte a água e a manteiga em uma panela, e aqueça em fogo alto até que comece a ferver. Baixe um pouco o fogo e junte o sal e a farinha, de uma vez, e misture rapidamente até incorporar totalmente. Ainda em fogo médio amasse a bola de massa que se formar por cerca de 1 minuto, para cozinhar a farinha.

Tire do fogo e acrescente os ovos, um a um, batendo bem a cada adição. Com a massa já homogênea junte os demais ingredientes e misture bem. Se tiver um saco de confeiteiro com bico bem largo, transfira a massa para o saco e faça pequenas bolinhas de massa em uma forma untada.

Se não tiver, ou preferir não usar, deixe a massa, coberta, na geladeira por 20min só para firmar um pouquinho. Com duas colheres untadas forme as bolinhas, ou quenelles, e transfira para a forma untada. Asse em forno aquecido a 200C por cerca de 30min, elas podem ou não dourar. Caso seu forno não doure e você tenha um grill disponível, vale usar por 5 minutinhos.

——————————
Em 2015: Bolo de cenoura com pudim de chocolate

Salvar

Salvar