Jujuba de Feijão! É isso mesmo, pode acreditar….

Jujuba de feijão é gostoso gente! Eu prometo! Não é bem jujuba, e é sim feita de feijão… Mas eu garanto que não parece nada com o feijão do almoço. E que vai ser a versão doce do amendoim salgadinho: pra comer sem parar, vendo um filme ou lendo um livro!
jujuba de feijão

Pra quem precisa de mais um incentivo pra acreditar nessa receita: ela veio da Simone do Chocolatria. Pois é, na verdade foi só por isso que eu confiei que jujuba de feijão poderia ficar gostoso… E porque eu sou meio a louca do vamos testar essa receita que vai contra todo o meu censo comum.

Mas o fato é que o sabor do feijão é completamente obscurecido pela canela. Então tá tudo explicado né? Docinhos macios cobertos com açúcar e canela e pronto, já esquecemos que era feijão! Tem a história direitinho de como essa receita surgiu lá nos primórdios do Chocolatria; clica no link pra conhecer! E aqui vai uma versão resumida: essas jujubas são a versão possível de fazer em casa de um doce chamado Amanattō, que é praticamente feijão azuki cozido em calda e seco em cobertura de açúcar.

Pra quem tá confuso, o feijão é consumido como base para muitos doces no Japão.

As quantidades abaixo rendem cerca de 2 xícaras de jujubas, mas dá pra reduzir pela metade (ou 1/4) caso você ainda esteja em dúvida. Ou dobrar a receita caso já tenha se apaixonado…. E sim, eu mudei alguma coisa na receita. A Simone usou feijão de caixinha, que já vem pronto, enquanto eu cozinhei o feijão em casa. Mas né? Não acho que isso mude grandes coisas no resultado final. Se você prefere a praticidade da caixinha, fique a vontade. Não gosta de comida pronta e prefere fazer a sua? Meu conselho é: tenha uma panela de pressão funcionando! 😉
jujuba de feijão

Jujuba de Feijão – original aqui

3/4 xícara de feijão cru*
1 xícara de água
2 xícaras de açúcar – usei cristal

1 1/2 xícara de açúcar refinado
1 1/2 colher sopa de canela

*Para duas xícaras de feijão cozido. Se for usar de caixinha que já vem cozido, já mede as duas xicaras. Para mais infos sobre o feijão vide o texto acima.

Deixe o feijão de molho em uma vasilha com água por pelo menos 8h. Eu costumo deixar de um dia pro outro. Descarte a água do molho e cozinhe o feijão até ficar macio. Lave o feijão já cozido e escorra para retirar bem o caldo.

Junte as duas xícaras de açúcar com a água e leve ao fogo apenas até ferver. O objetivo é apenas derreter o açúcar. Retire do fogo e junte essa calda e o feijão cozido em uma vasilha com tampa. Deixe descansar, fora da geladeira, por mais 24h.

Eu não usei a calda toda, apenas o suficiente para cobrir o feijão. O restante guardei numa garrafinha com tampa, na geladeira, e deixei pra fazer drinks.

Coe o feijão da calda e deixe escorrer novamente. Misture o açúcar refinado com a canela e então misture o feijão (que já vai estar gostoso nessa etapa). Misture bem para cobrir todos os grãos com o açúcar com canela. Passe por uma peneira, apenas para retirar o excesso de açúcar. Forre uma assadeira com papel alumínio e transfira os feijões açucarados pra ela. Leve ao forno, aquecido a 180C, por 30min. Esse tempo deve ser suficiente para derreter o açúcar. Com uma escumadeira “pesque” os grãos e volte com eles para o açúcar com canela que sobrou. Misture novamente para cobrir todos os grãos e pronto!

Eles duram alguns dias em um pote bem fechado, mas espere esfriar completamente antes de guardar!

——————————
Em 2015: Caipirinha de cerveja

Salvar

Salvar

Salvar

Bala de brigadeiro, pra inovar na festinha

Bala de brigadeiro é um nome meio que bem descritivo né? É uma bala com recheio de brigadeiro. E sim, é tão gostoso quando soa.
bala de brigadeiro

Tudo começou com o aniversário de 3 anos do Cozinha chegando e eu tentando bolar quais receitas iriam ao ar nessa semana. Bolo definido a ideia era ou uma sobremesa bem especial ou um docinho pra continuar o clima de festa. E aí essa bala de brigadeiro apareceu nas pesquisas.

Pra quem ficou com vontade de bolo, quarta-feira ele entra já tá no ar!

Sério, bala de brigadeiro, preciso falar mais alguma coisa pra te convencer que é uma ótima ideia? Já que não, vamos pular direto para todos os pulos do gato dessa receita. Sim, ela tem alguns.

Açúcar em ponto de bala não é a coisa mais fácil do mundo de se trabalhar, então meu primeiro conselho é: tenha um termômetro. Dá pra achar o ponto sem ele? Dá, e nossas bisas fizeram isso por décadas. Mas tem certas ferramentas que facilitam horrores e valem o investimento (que nem precisa ser tão alto). Então, se você pode se dar esse presente, vai nessa. Senão, faça calda a mais e vá testando no copo com água até ter certeza. Vale desligar o fogo, acrescentar mais água, vai trabalhando a calda com calma.

Ainda nela, um ponto mais mole resulta numa bala mais puxa, e um ponto mais firme em uma bala mais cristalizada. Ambas são deliciosas, mas tem gente que não gosta de açúcar grudado no dente (eu amo), então é bom saber suas opções. E ainda falando em pontos, não apertar muito o do brigadeiro facilita na hora de comer mas não na hora de fazer. Brigadeiro puxa com bala puxa, já viu o desastre? Então não aperte muito o doce, mas gele ele bem pra não ficar molenga na hora de banhar na calda.
bala de brigadeiro

Uma última dica? Cuidado com a forminha, algumas podem grudar na calda de açúcar. Se não tiver certeza se a sua gruda ou não é só untar um pouquinho o fundo de cada uma com manteiga ou óleo. Ou não usar forminha né?

Bala de brigadeiro – original aqui

1 lata de leite condensado
25g de manteiga sem sal
3 colheres sopa de chocolate em pó*
1 xícara de açúcar
1/2 xícara de água

* Vale trocar por 2 colheres de cacau, mas não vale trocar por achocolatado porque é muito doce.

Faça um brigadeiro comum com o leite condensado, a manteiga e o chocolate. Aperte o ponto apenas o suficiente para enrolar os docinhos. Transfira o brigadeiro para um prato, cubra com filme plástico, e deixe esfriar.
Enrole os docinhos e tente não faze-los tão grandes quanto eu fiz. O tamanho ideal é o de uma bocada, que é pra não ter que morder a bala.

Quando for banhar cada docinho o ideal é que eles estejam gelados. Pra isso eu fui enrolando e deixando em uma bandeja untada que depois levei por uns minutos pro congelador. Docinhos enrolados e gelados, hora de fazer a calda.

Leve o açúcar e a água ao fogo alto, misture apenas ligeiramente e deixe cozinhar até atingir o ponto de bala dura. Pra quem não tem termômetro o ponto é quando você derrama uma gota de calda em um copo de água e a calda fica dura imediatamente. Tipo bala vitrificada. Pra quem tem termômetro é entre 121° e 128°.

Atenção: com a calda a 121° o resultado final é uma bala mais macia e bem puxa; a 128° vitrifica totalmente e a casquinha fica bem crocante, podendo até ficar meio opaca. Escolha o seu ponto.

Banhe os brigadeiros na calda e deixe secar em um papel manteiga untado. Pra banhar, eu achei mais fácil usar dois garfos, que troquei pelo menos umas 3 vezes, porque eles sujam bem rápido. Palitos de churrasco ou garfos próprios também podem funcionar, veja o que é melhor pra você. Balas secas é só transferir para forminhas e servir!

vale untar as forminhas caso você não tenha certeza se elas vão grudar ou não, algumas minhas grudaram!!

——————————-
Em 2016: Suco verde de manga

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Cocada Baiana – #CozinhaJunina

Cocada Baiana, em versão mini pra sobremesa rapidinha, pra roubar de madrugada, oooou pra sua festa de São João!
cocada

Cocada é daqueles doces bem típicos né? Mesmo assim só tinha tentado fazer uma vez, e o resultado não foi dos melhores. Embora o sabor tenha ficado ótimo os pedaços de coco não se juntavam formando a cocada, e tudo que eu consegui foi uma panelada de coco açucarado. Gostoso, mas não era meu objetivo.

Dessa vez sim, consegui cocadinhas que mantém a forma e não ficaram secas demais. Sabe quando você morde a cocada e ela tá ressecada? Não acontece isso aqui. No primeiro dias elas ficam até úmidas por dentro. Uma delícia!
cocada

A receita original não poderia ser mais a prova de erros, veio do livro A Comida Baiana de Jorge Amado, sobre os pratos da obra de (adivinha quem, adivinha quem) Jorge Amado. Não mudei praticamente nada na receita. Na verdade o que fiz foi corrigir um erro meu mesmo, ou quase. É que o ponto de formatar as cocadas pode se perder muito rápido, e assim acabar como minha primeira experiência: coco açucarado. Tem jeito de resolve e tá tudo explicado na receita abaixo.

Cocada Baiana – original aqui

1 1/2 xícara de açúcar
2 xícaras de água
3 xícaras de coco ralado – usei fresco

Comece preparando a assadeira: forra com papel manteiga e salpique açúcar refinado, ou de confeiteiro, por cima. Misture a água e o açúcar e leve ao fogo médio até atingir o ponto de bala mole. Vai demorar cerca de 50min. Pra conferir o ponto você pode ou pegar uma pequena porção de calda e colocar em copo com água fria (não gelada). No copo a calda deve esfriar e ficar sólida o bastante pra fazer uma bolinha, mas macia o bastante pra modelar com os dedos. Pra quem tiver termômetro é quando atinge 113C.

Ponto atingido desligue o fogo e junte o coco ralado. Misture bem e volte ao fogo baixo, mexendo de vem quando, por cerca de 15 minutos. Dá pra perceber que o coco vai soltar uma água e ela vai secar. Quando não tiver mais líquido na panela desligue o fogo e mexa mais uns 2 minutos pra esfriar um pouco. Modele as cocadas e transfira para a assadeira preparada. Cubra com filme plástico e leve para a geladeira por cerca de 2 horas pra secarem. Depois é só guardar em uma lata.

* Se, enquanto estiver modelando as cocadas, você começar a ver que está ficando muito seco e não segura mais a forma, é fácil de resolver: acrescente umas 2 colheres de água e ligue o fogo baixo, rapidamente, apenas para esquentar tudo junto. Volte a modelar até que fique seco demais de novo, e então repita o truque até acabar tudo.
cocada

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Tootsie rolls, ou balinhas meio caramelos muito loucas

Tootsie rolls, já ouviu falar? Essas balinhas são bem famosas e antigas nos Estados Unidos, e se você tiver muita curiosidade tem um artigo bem completo na Wikipedia (em inglês).
tootsie rolls

Pra propósitos de entender o que elas são basta imaginar um misto de caramelo com balas toffee com chocolate. É puxenta como um caramelo, mas não derrete como um. Tem o sabor de chocolate mas nada da textura. E parece ser mais dura do que é na verdade, como as balas toffee. Estranho e gostoso, ou seja, meu tipo de receita!!

Achei essa versão no Food52, o que me deixe meio confiante meio com pé atrás. As receitas deles costumam ser consistentes, mas volta e meia eu erro alguma coisa. Nesse caso acho que acertei a receita, mas a embalagem teve que ser totalmente alterada! A original deveria ser espalhada e então cortada em tiras, igual a versão industrializada, e só então enrolada em papel vegetal.

Sóóó que não rola no clima daqui. A massa fica muito mole pra cortar e enrolar dessa forma, e o resultado é um rolinho torto e feioso de dar dó. Então enrolei a massa toda e cobri com papel vegetal e deixei gelar. Fica bem mais fácil, do tipo quanto mais gelada mais fácil. Depois de fatiadas as moedas foram enroladas em papel manteiga untado. Se você tiver acesso a papel encerado talvez não precise untar, senão unte. Mesmo.

Eu mantive as minhas, já embrulhadas, em uma tigelinha na geladeira. Descobri que gosto muito mais delas geladas do que em temperatura ambiente. Teste com as suas e veja o que lhe cai melhor.
tootsie rolls

Tootsie Rolls – original aqui

1/2 xícara de mel
1/2 xícara de chocolate em pó
1 colher chá de baunilha
1 colher sopa de manteiga sem sal
1 pitada de sal
cerca de 1 xícara de leite em pó

Derreta a manteiga e misture com todos os ingredientes, exceto o leite em pó. Quando estiver homogêneo comece a acrescentar o leite em pó, aos poucos. Vá amassando essa mistura e acrescentando o leite em pó até que esteja firme mas ainda um pouco pegajosa.
Deixe descansando, em uma vasilha untada, por cerca de 15 minutos. Então transfira para uma folha de papel manteiga untado. Faça um rolo de massa e enrole com o papel como se fosse um bombom. Deixe na geladeira por mais 30min e então fatie. Enrole cada fatia em um quadrado de papel manteiga untado e guarde na geladeira.

Salvar

Salvar

Salvar

Brigadeiro de cenoura – especial páscoa

Brigadeiro de cenoura! Dá pra acreditar que fica bom? Mas fica…

brigadeiro de cenoura

Tem muito tempo que experimentei essa receita e na época experimentei seguindo a original certinho. Claro que dessa vez eu tive que mudar alguma coisa, mas acabei gostando bem mais do resultado de agora. Ficou um pouco mais cremoso e me lembrando mais a textura de brigadeiro.
brigadeiro de cenoura

Porque é isso mesmo: brigadeiro, com leite condensado e chocolate (branco) e tudo. Só que no lugar do chocolate tem cenoura. E não, não fica parecendo salada doce. Fica parecendo bolo de cenoura. Lembra do sabor do bolo (sem a cobertura) de cenoura? É esse sabor, só que mais docinho e na textura de brigadeiro!

As folhinhas foram feitas com chocolate branco, temperado e tingido. Pra mais detalhes sobre como temperar chocolate tem um post mais completo aqui. Eu tingi logo em seguida a terminar de a temperagem. Mas tudo isso é completamente opcional, sempre dá pra simplesmente enrolar e passar no açúcar ou em algum confeito. Garanto que vai continuar gostoso!
brigadeiro de cenoura

Brigadeiro de cenoura – original aqui

1 lata de leite condensado
2 xícaras de cenoura picada
25g de manteiga sem sal
50g de chocolate branco

No liquidificador bata a cenoura e o leite condensado até ficar homogêneo. Transfira para uma panela e junte a manteiga e o chocolate. Cozinhe em fogo baixo, mexendo sempre, até soltar da panela. Transfira para um prato, para espalhar, cubra com um filme plástico, e deixe esfriar. Não leve para a geladeira para não endurecer demais.

Montagem

chocolate branco temperado
corante em gel verde
açúcar cristal
papel manteiga

Adicione corante ao chocolate até atingir um tom verde claro. Transfira para um saco de confeiteiro com bico fino, ou uma sacolinha com um pequeno furo. No papel manteiga desenhe as folhinhas das cenouras. Se preferir desenhe no verso do papel com um lápis para servir como guia. Deixe o chocolate endurecer antes de usar.

Com o brigadeiro já frio modele as cenourinhas e passe no açúcar cristal. Transfira para o prato/bandeja/forminha onde for servir e finalize com uma folhinha de chocolate. Para um acabamento faça marcações com as costas de uma faca.

Salvar

Salvar

Salvar

Brigadeiro de Pistache, um novo favorito

Brigadeiro de pistache! Simples assim: um brigadeiro feito com chocolate branco e pistache triturado. E coberto com pistache quebrado também pra quem quiser servir enroladinho e na forminha.
brigadeiro de pistache

Eu nunca tinha cozinhado com pistache, então achei que pra começar era melhor escolher uma receita que eu já conhecesse: Brigadeiro! O sabor do brigadeiro de pistache é bem suave, nem um pouco parecido com o pistache do sorvete self-service. (que na verdade nem é pistache mesmo né?)

E ainda assim dá pra controlar o quão forte você quer o sabor no brigadeiro. Eu usei apenas 50g porque enrolei os brigadeiros no próprio pistache, mas quem quiser pode usar mais e enrolar em confeitos comuns. Ou usar mais e ainda enrolar no pistache se você gostar do sabor mais marcante.

E pra quem ficar na dúvida se isso é brigadeiro mesmo ou não: essa é uma discussão longa, onde cada pessoa pensa uma coisa. Por aqui eu adotei a regra do chocolate. Tem chocolate, independente de qual tipo? É brigadeiro. Não tem chocolate? É docinho. E por aqui chocolate branco entra na categoria sim… 😉
brigadeiro de pistache

Brigadeiro de pistache

1 lata de leite condensado
20g de manteiga sem sal
50g de chocolate branco
50-75g de pistache para a massa
pistache quebrado ou chocolate ralado para cobrir

* se for cobrir com chocolate no lugar do pistache quebrado, meu conselho é usar 75g de pistache na massa para que o sabor não fique muito fraco. Se for cobrir com pistache 50g são o suficiente para a massa. Se encontrar ele já moído, facilita bem a vida.

Se o seu pistache for inteiro, ou quebrado, bata no liquidificador até virar uma farinha fina. Eu bati bem, passei pela peneira e então voltei os pedaços maiores pro liquidificador pra bater de novo.
Junte essa farinha de pistache com o chocolate, a manteiga e o leite condensado em um panelinha e leve ao fogo baixo. Cozinhe, mexendo sempre, até atingir o ponto de enrolar. Você sabe porque ele começa a soltar sozinho da panela. Transfira para um prato e cubra com papel filme. Deixe esfriando em temperatura ambiente, de um dia pro outro, ou na geladeira, por apenas algumas horas.
Depois de frio enrole os brigadeiro e passe no pistache quebrado* ou no chocolate branco raspado, ou no confeito que você quiser.

*Eu comprei pistaches crus que vieram quase que inteiros, então piquei com uma faca até ficarem mais ou menos do tamanho de castanha de caju quebrada (aquela que se coloca no sorvete)
brigadeiro de pistache

——————————-
Em 2015: Licor de Laranja

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Suspiros marmorizados com chocolate

Suspiros marmorizados com chocolate pra adoçar ainda mais a vida!
suspiros marmorizados

Eu não acreditei quando vi as fotos dessa receita. Eu confesso que duvidei que dava pra colocar chocolate no suspiro e esse trem dar certo. Eu estava errada! Não só dá certo como fica uma delícia, tá? E é fácil de fazer, afinal não queremos complicações.

Eu também confesso que mudei bastante a receita original, mas foi por um bom motivo. Aquela receita é para aqueles suspiros sequinhos por fora e pegajoso, grudendo macios e úmidos por dentro, comuns em alguns outros países mas nem tanto por aqui. Essa receita leva outros ingredientes justamente pra garantir um interior úmido no suspiro. Então usei uma receita básica de suspiro pra garantir um resultado final mais sequinho e parecendo um micro-bolo por dentro.

E pra isso tem duas opções: seguir a receita abaixo, que eu testei e deu certo; ou seguir essa receita aqui, que também já testei, e também dá certo. Se você tem facilidade com suspiros é só seguir os passos abaixo. Se seus suspiros nunca dão certo, meu conselho é clicar no link (aqui de novo) já que foi com essa receita que eu consegui meus primeiros suspiros sequinhos.
suspiros marmorizados

Por último, o quão doce você quer sua receita? Isso é que vai definir qual chocolate você vai usar. Eu usei um blend de ao leite com amargo e ainda achei que poderia ser menos doce, então pra mim o chocolate meio amargo é o ideal. Talvez você prefira coisas mais doces, então o ao leite vai ser sua escolha.

(No meu mundo ideal a gente faz uma receita com cada chocolate, experimenta todas e escolhe a favorita…)

E ainda tem a nutella! Na receita original esses suspiros marmorizados foram usados pra fazer sanduíches com nutella. Sanduíche de suspiro não é minha praia então não fiz, mas quem sou eu pra impedir outras pessoas de comerem nutella não é mesmo? 😉
suspiros marmorizados

Suspiros Marmorizados – original aqui

3 claras
3/4 xícara de açúcar refinado
6 colheres chá de açúcar de confeiteiro
90g de chocolate*

*vale usar o que você preferir, mas quanto mais doce mais enjoativo o resultado final

Derreta o chocolate em banho maria e retire do calor para que ele posse esfriar. O chocolate não pode estar quente quando entrar em contato com o suspiro, mas ainda tem que estar fluido.

Faça o suspiro normalmente: bata as claras em neve e a medida que elas forem espumando vá adicionando os açúcares. (veja comentários no texto ali de cima)
Quando o suspiro montar picos desligue a batedeira e comece a encher o saco de confeiteiro:

Coloque uma colherada de suspiro, outra de chocolate; mais suspiro, mais chocolate. Quanto menos eles se misturarem nessa hora, mais marmorizado vai ficar o suspiro assado. Quanto mais eles se misturarem agora mais homogêneo vai ficar o resultado final.

Faça os suspirinhos em uma forma forrada com papel manteiga e leve ao forno mais baixo que você conseguir. Ele devem demorar pelo menos 1h pra secarem. Quando pronto o suspiro tem que sair do papel sem grudar e ser sequinho por fora e não estar mais grudento por dentro. Deixe eles esfriarem bem antes de guardar em uma lata.

——————————
Em 2016: Caipirinha de maracujá

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Aranhas de brigadeiro – Halloween

Especial de Halloween começando, e hoje tem truque fácil pra deixar a mesa da festa mais apavorante: aranhas de brigadeiro com chocolate empastado!
Aranhas de brigadeiro

Seja pra quem vai fazer aniversário temático de Halloween ou pra quem só quer um doce pra servir no fim do mês: brigadeiro é sempre boa pedida! A verdade é que essa receita tá mais pra truque viu, porque o brigadeiro todo mundo sabe fazer né? E se você quiser poupar trabalho é só encomendar os brigadeiros na doceira mais próxima e transformá-los nas aranhinhas…E o jeito mais comum de fazer as perninhas é derretendo e temperando o chocolate e então moldando as pernas com um bico de confeiteiro. E funciona viu…

Só que pra quem é a falta de jeito em pessoa (digamos, eu por exemplo) tem como facilitar a vida: empastar o chocolate. Isso quer dizer mudar a textura do chocolate para algo mais próximo de uma pasta mesmo. Desse jeito ele escorre menos e até seca mais rápido. Não é aconselhável fazer isso pra quem for fazer uma barra por exemplo, mas para detalhes mais delicados funciona muito bem. Inclusive para aqueles ovos de páscoa rendados. Aliás, foi numa aula de páscoa da Janaína Barzanelli que aprendi o truque. Só uma coisa: a bebida tem que ser destilada! Não adianta colocar vinho, ou suco ou água que o ponto não fica o mesmo.

Aranhas de brigadeiro

Brigadeiros enrolados*
Chocolate meio amargo
Conhaque

*cobertos com confeito ou não, vai depender da textura final que você quer na aranha

Derreta o chocolate em banho-maria. Retire a vasilha com chocolate do calor e vá adicionando o conhaque gota a gota, misturando bem a cada adição. Quando o chocolate estiver com uma textura mais maleável, um pouco mais mole que massinha de modelar, transfira para um saco de confeitar com bico perlê pequeno, ou uma caneta de confeiteiro* com ponta fina.
Em um papel manteiga faça pequeno V’s de chocolate. Se preferir risque a lápis primeiro para ter uma referência. Espere secar completamente e então coloque 8 v’s, ou perninhas, em cada brigadeiro.

*caneta de confeiteiro é aquele cone de papel manteiga próprio pra desenhar com chocolate. Nesse vídeo dá pra ver como é fácil fazer.

——————————
Em 2014: Micheladas

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Suspiros, e como eu finalmente consegui fazer

O resultado de uma saga: depois de muito estudo e inúmeros testes, finalmente fiz suspiros!!

Essa é uma receita simples que só ela, apenas dois ingredientes e nada de etapas muito elaboradas, mas diz que o trem dava certo? O segredo do suspiro sequinho e crocante é assar em forno baixíssimo, secando lentamente e sem dourar. E pra isso a temperatura ideal é por volta dos 100-120°C. Agora adivinha qual a temperatura mínima do forno daqui de casa, e de grande parte dos fornos domésticos? Isso mesmo, 180°C! Sentiu o drama?

Assar suspiros em um forno mais alto do que o ideal é pedir um suspiro com o interior meio cru e puxento e/ou (pior ainda) meio queimado. Daí vem o truque que muita gente conhece: assar com a porta do forno meio aberta, muitas vezes com uma colher de pau segurando pra não fechar. Só que mesmo com esse truque eu nunca tinha conseguido fazer suspiros sequinhos. Sempre ficavam puxentos.

E aí começou a saga. Foram várias pessoas consultadas e várias receitas testadas, variando ingredientes e modo de preparo. Mas meus suspiros ainda ficavam puxentos… E agora, finalmente, suspiros sequinhos!! E eu tinha que vir aqui contar tudo isso porque vai que tem alguém apanhando dessa receita também né?

O segredo aqui é ignorar o merengue francês, que é cru, e usar o suíço, que é cozido em banho-maria. Explico: merengue é a mistura de claras e açúcar que quando assada vira suspiro. Ele pode ser:

Francês: claras cruas batidas em neve com açúcar
Suíço: claras e açúcar cozidos em banho-maria e então batidos
Italiano: claras batias em neve com calda de açúcar

Tanto o merengue italiano quanto o suíço acabam sendo mais secos e estáveis do que o francês, e é isso que ajuda na hora de deixar o suspiro sequinho e crocante.
Por isso, se você tem o costume de fazer merengue italiano pra confeitar bolos vale fazer a receita de sempre e levar pro forno. 😉

Suspiros suíços

1 clara
1/4 xícara de açúcar refinado

Misture a clara com o açúcar e leve ao banho-maria, mexendo de vez em quando, até atingir 70ºC.

(Pra quem não tem termômetro vale deixar até o açúcar derreter: dá pra ver esfregando um pouco da mistura entre o dedos, quando não sentir os grãos do açúcar é porque já deu. Não posso garantir que vá ficar igual mas as chances são boas)

Retire a mistura do banho-maria e bata até formar formar picos firmes. Transfira para uma assadeira com papel manteiga, aqui vale usar o saco de confeiteiro ou apenas uma colher. Suspiros feitos, leve ao forno aquecido na menor temperatura possível, e é aqui que vem o truque. Se o seu forno tem a opção de 120º é só assar por umas 2h nessa temperatura. Se, como a maioria os fornos caseiros, a menor temperatura indicada no seu é 180° deixe a porta entreaberta com a ajuda de uma colher de pau ou um rolo de massa. Asse pelas mesmas 2h, mas virando a assadeira na metade do tempo. Quando os suspiros estiverem secos (eu sempre provo pra ter certeza) desligue o forno e feche a porta. E deixe lá até esfriar completamente, só então tire do forno e guarde em uma lata com tampa.

Dica: para ter ainda mas segurança vale colocar a assadeira com os suspiros na prateleira mais alta do forno e com outra assadeira vazia (ou com pesos dentro) na prateleira mais baixa.

———————
Em 2015: bolo de chocolate e batata doce

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Docinho de gelatina

Inspirados no bicho-de-pé, os docinhos de hoje são de gelatina de uva!

Apesar da receita daqui do Cozinha de bicho-de-pé ser com nesquik muita gente faz com gelatina de morango. E foi pensando nisso que resolvi fazer esse docinho de gelatina de uva. Meio que desacreditando, duvidando muuito que o gosto de uva apareceria no final. Mas não é que aparece? E não é gosto de uva, é gosto de gelatina de uva, que convenhamos é diferente mas é gostoso pra caramba! E além do gosto ainda tem a cor linda que fica no final! Nesses não foi usada nem uma mísera gota de corante extra, é tudo crédito da gelatina.

Já tô imaginando uma mesa de festa mega colorida, com docinhos de vários sabores…
Só um dica: a coisa mais legal da gelatina é que ela endurece quando esfria né? Então é bom lembrar disso na hora de acertar o ponto. Não precisa apertar o doce tanto quanto um brigadeiro pra enrolar, senão acaba ficando puxento.

Docinho de Gelatina

1 lata de leite condensado
25g de manteiga sem sal
1 pacote de gelatina do sabor escolhido

É só misturar tudo e levar ao fogo mexendo sempre até começar a soltar da panela. Transfira para um prato e cubra com filme plástico até esfriar; não precisa ser na geladeira a não ser que seja um dia muuito quente. Enrole os docinhos e passe no açúcar cristal.

—————–
Em 2015: Torta de rabanada

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar