Pastel de Angu, pra congelar e fritar sempre que quiser

Pastel de angu, aquele petisco que ficou famosão uns tempos atrás mas resistiu ao hype e continua valendo a pena experimentar!
pastel de angu

Contexto: cresci tendo angu quase todo dia na mesa do almoço; quando não tinha angu fresco a gente fritava o do dia anterior partido em pedaços. Fritava não, frita até hoje: angu frito (ou polenta frita como algumas partes do país chamam) ainda é uma constante aqui em casa. Preciso dizer mais alguma coisa pra vocês entenderem como a ideia de pastel de angu parece maravilhosa pra mim? É o angu frito de todo dia com recheio!!!

E eu já tinha tentado fazer uma vez com alguma receita que encontrei internet afora. Essa usava farinha no lugar do polvilho e, por isso mesmo, a massa ficava ultra seca, quebradiça mesmo. Terrível. Não usem farinha no lugar do polvilho. Fui atrás da receita mais original, lá de Itabirito. E pronto. Deu super certo!

Super certo se você não considerar um pequeno acidente com óleo espirrando no meu rosto. Calma, é fácil evitar isso; basta prestar atenção agora: não coloque o seu rosto em cima da panela quando estiver testando uma receita frita. Nunca! Principalmente se você estiver testando um pastel de angu com recheio de queijo! Mesmo. Fique longe da panela!

Pra quem tem experiência na cozinha parece meio óbvio, mas é a gente que corre mais risco justamente por subestimar a receita. Então sempre preste atenção.

Agora que já assustei todo mundo: façam a receita. Mantenham o recheio de carne, principalmente se você não tem costume de lidar com fritura e massa seladas (como coxinha). Vegetarianos: façam um recheio com soja texturizada. Em ambos os casos é só garantir que o recheio esteja bem sequinho. Mas façam, porque é uma delícia! E essa quantidade rende muitos pasteis, que podem ser congelados já facilitando a vida no futuro!
pastel de angu

Pastel de Angu – original aqui

1 litro de água
2 colheres sopa de óleo
1 colher chá de sal
4 xícaras de fubá
1 ovo
1 pitada de bicarbonato
1/4 xícara de polvilho azedo
recheio a gosto

Ferva a água junto do óleo e o sal. Adicione o fubá e o bicarbonato e misture rapidamente, com fogo baixo. Se achar mais fácil misture o fubá com o bicarbonato em outra panela, ligue o fogo baixo, adicione a água fervente e misture rapidamente. Misture em fogo baixo até cozinhar. Retire do fogo e adicione o polvilho e o ovo e sove e misture bem. Assim que conseguir colocar a mão na massa sove até que ela fique lisa e coesa. Cubra com um pano úmido e comece a modelar os pasteis.

Mantenha a massa coberta enquanto formata os pasteis, para que ela não fique quebradiça. Se o pano começar a secar umedeça novamente. Pasteis formatados é só fritar. Cuidado que espirra!

Esquente uma panela com óleo e frite dois pasteis por vez no máximo. Use uma escumadeira de cabo longo para retirar os pasteis da panela, assim que dourarem.

Salvar

Salvar

Pastel de brigadeiro

Massa frita de chocolate bem crocante, e recheio de brigadeiro, e um açúcar polvilhado por cima porque eu fiquei sem imaginação pra montar o prato….

Então, essa receita eu conheci com o nome de ravióli de chocolate, no site da Casa e Jardim. Só que pra mim ravióli é cozido, se frita automaticamente a minha cabeça transforma em pastel. Então chamemos de pastel de chocolate.
Eu não precisei modificar a receita, só a textura da massa que sempre varia por conta da farinha mesmo. E eu tenho certa resistência em publicar receitas que eu fiz praticamente igual a original (com exceção pra receitar estrangeiras que eu acho bom traduzir). Mas essa eu fiz questão porque eu tava jurando que o trem ia dar errado. Quando li achei as instruções simples demais, com cara de parece fácil mas só encarnando 5 gerações de cozinheiras pra conseguir…

Só que nada, é facinho facinho. A única parte mais chatinha é abrir a massa no rolo, porque ela não é das mais fáceis, mas com paciência dá. Claro, com cilindro pra abrir massas também dá, então se você tem ponha pra uso!

Uma coisa só quanto a massa. Não acho boa ideia trocar o chocolate em pó por achocolatado, que tem muito mais açúcar. Como essa é a parte da receita que vai ficar justamente em contato com o óleo quente não acho boa ideia aumentar muito a taxa de açúcar pra não caramelar demais. Já pra quem quiser trocar por cacau, pode, mas a massa já é sem doce então cuidado pra não ficar amarga demais.

E, como sempre, o recheio é uma sugestão né. Isso pode virar pastéis de nutella,de creme, de morango, geleia, e por aí vai.

Pastel de brigadeiro – original aqui

1 1/2 xícara de farinha de trigo
2 ovos
2 colheres sopa de chocolate em pó 50%
1/2 receita de brigadeiro*

*Todo mundo entende que uma receita é com uma lata de leite condensado e só vai precisar metade e o resto pode comer de colher na frente da sua tela favorita né?

Faça o brigadeiro no ponto que preferir e deixe esfriando antes de começar a fazer a massa. Misture a farinha com o chocolate e acrescente os ovos. Vá misturando com uma mão até formar uma massa coesa. Caso esteja muito molenga vá adicionando farinha bem aos pouquinhos e amassando.

A minha ficou foi muito dura, quase não absorvendo toda a farinha. Nesses casos apenas molhe a mão e vá misturando a massa até ficar homogênea. Não adicione água diretamente na massa pra não correr o risco de colocar demais.

Deixe a massa descansar por uns 10 minutos, pra que não fique elástica demais na hora de abrir. Passado o tempo divida a massa em duas e abra bem fininha, eu consegui uns 3mm mas ainda achei grossa. Quem tem máquina de passar massa fique a vontade pra usar. Daí tem dois jeitos de modelar:

Igual ravióli: Modele porções de brigadeiro do tamanho que quiser os pastéis, eu fiz um pouco menor que um brigadeiro convencional, e coloque distanciando uns 3cm uns dos outros sobre uma das massas. Cubra com a outra metade da massa e aperte entre cada brigadeiro formando os pastéis. Pra isso você pode usar o rolete próprio, as costas de uma faca ou mesmo os seus dedos. Corte para separar os pastéis e com os dedos garanta que todos estão fechados.

Igual pastel: corte círculos ou retângulos da massa, recheie e dobre ao meio para fechar. Com os dedos ou um garfo aperte as bordas pra garantir que estão fechados.
Os retalhos de massa (de ambos os métodos) você junta numa bola de massa e deixa descasando mais 10minutos antes de abrir novamente.

Depois dos pastéis modelados é só fritar em óleo quente. E comer ainda quentinho e crocante que é em mais gostoso.

 

Salvar

Salvar

Samosa, samusa, chamuça, hein?

Nome estranho né? Eu conheci como samosa e quando fui pesquisar sobre achei essas outras versões de nome. Também achei exemplos de samosas indianos, portugueses, moçambicanos (moçambiquenhos?) e paquistaneses…

Samosa é basicamente um pastel de massa fininha, muito bem recheado e frito. Sabe aquele nosso pastel de queijo que tem um vendaval dentro junto de uma fatiazinha de queijo? Não é o caso aqui. É bastante recheio mesmo! Pra valer por uma refeição se você fizer o tamanho grande, como eu fiz.
samossa fbEssa receita veio lá do Quiche de Macaxeira e eu não mudei nada além do tempero do recheio… mas como tempero é uma coisa bem pessoal isso nem conta né?
Ah, eu também dobrei a receita pois quando vi que o rendimento era de apenas 4 pasteis achei que não daria aqui pra casa (somos 3). Fiz 8 pastelões e sobrou…. cada pastel fica bem grande e pesado (muito recheio lembra?), então fica minha sugestão de dividir a massa em mais bolinhas e fazer pasteis menores se a sua ideia for para lanche ou petisco.

Mais duas coisas: é legal comer ainda quentinhos que é quando estão mais crocantes. Mas confissão de quem comeu no dia seguinte, já frio e dormido: continua muito bom! E não ligue muito para as medidas aproximadas, eu sei que cada batata, cada pimentão são de tamanhos variados. Mas isso é mais comum em receitas salgadas e seu pastel não vai desandar porque o brócolis que você usou era maior. Na verdade essa indefinição é uma liberdade que a gente tem para inventar o recheio que achar melhor.
samossa ptSamosa – original aqui
xícara de 240ml

massa:
4 xícaras de farinha de trigo
4 colheres sopa de creme de leite de caixinha
60g de manteiga sem sal derretida
2 colheres chá de açúcar
cerca de 1 xícara de água – depende

recheio:
3 batatas médias
3 ramos de brócolis – com os talos
1 cenoura média ralada
1 pimentão vermelho
cerca de 15 azeitonas verdes sem caroço
sal, pimenta e temperos a gosto

Descasque e pique as batatas em cubos. Limpe e pique os brócolis mais ou menos do mesmo tamanho. Leve-os para cozinhar em uma panela com água sem sal.
Enquanto isso rale a cenoura e pique o pimentão e as azeitonas em cubinhos pequenos e reserve.
Quando a batata e o brócolis estiverem macios escorra a água e amasse-os juntos. Eu amassei com um garfo mesmo. Misture esse purê ao resto do recheio e tempere a gosto.
samossaPara a massa misture todos os ingredientes menos a água. Vá acrescentando a água aos poucos e misturando a massa até formar uma bola lisa. A massa não gruda na bancada nem nas mãos, então não se preocupe em enfarinhar nada.
Corte a massa em 8 (ou mais) pedaços e com o rolo abra cada um em um disco. Recheie cada disco com uma parte do recheio e feche dobrando as beiradinhas para formar o babado. Não precisa preocupar em ficar apertando muito.
Frite um pastel de cada vez em óleo bem quente.

Salvar