Ideias pro natal e férias

Tão acompanhando nossas receitas especiais de fim de ano? Já teve drink, petisco, e até chocotone!
Hoje, último dia antes das férias do Cozinha, aproveito pra lembrar mais algumas boas ideias pra comilança das festas:
biscoito-natal-2Além dos biscoitos de gengibre desse ano também já teve biscoitos de especiarias por aqui. E pra quem não é muito fã de tempero sempre dá pra fazer os básico biscoitos de açúcar que aceitam qualquer formato e qualquer cobertura!

drink-de-natal-2Pra quem vai trocar a ceia tradicional por drinks e belisquetes vale lembrar do drink de natal, feito com as cores especiais da ocasião. E também do grão de bico, que aqui caiu fora da salada e virou petisco muito bem temperado!
pc3a3o-noel-2Não deu tempo de fazer o chocotone? O bolo natalino é na verdade uma receita básica vestida pra festa. O mesmo truque usado no Pão Noel, uma receita básica de pão com formato de bom velhinho. E sempre dá pra improvisar com a rabanada express!

Com todas essas ideias deixo vocês pra curtirem o restinho do mês e tiro minhas férias. Cozinhem bastante (eu sei que vou)! Comam de tudo (eu vou)! E na primeira semana de janeiro o Cozinha volta as atividades normais! E quem sabe com algumas novidades… 😉

Chocotone

Ahan! Habemus chocotone! E beeem recheado de pedacinhos de chocolate e com a massa bem úmida pra ninguém reclamar que já no dia seguinte ele tava seco demais.

A ideia inicial era fazer panetone mesmo, mas sempre tem quem não goste de frutas cristalizadas e/ou de passas (eu). Então vamos de chocolate que é mais difícil alguém não gostar… Eu acho que vocês já imaginam, mas só pra garantir: dá pra trocar o chocolate por todas as opções acima, ou juntar tudo também.

A receita da massa é uma misturada de receitas que eu testei e fui meio que fundindo, adaptando até chegar nesse resultado. É o que mais me agradou por ter uma massa bem úmida, já que eu detesto panetone seco, e por ter um aroma bem leve, sem nada de artificial. Pra quem tiver curiosidade as receitas mais próximas dessa são a do livro Mega Culinária de Dona Zizi, e a do Panelinha.

Já a essência é uma adaptação da receita do natal passado do pessoal do Projeto Banquete. As duas maiores modificações foram a retiradas das raspas de laranja, que já aparecem na própria massa do chocotone, e a troca da bebida alcoólica. O caso é que ninguém bebe whiskey por aqui, então fui de vodka que nunca falta aqui em casa. A vodka não é tão aromática, então a minha verão perde pontos aí. Mas vale usar a bebida que você achar melhor, e dessa forma personalizar a sua.

Mais dois detalhes para o seu chocotone ficar do seu jeito:
1 – O chocolate em pedaços e as gotas de chocolate se comportam de formas diferentes no forno. As gotas manterão a sua forma e assim o resultado final será um chocotone mais refinado. Já o chocolate picado perde a forma e por isso o resultado final será mais rústico. A quantidade usada continua a mesma independente da sua escolha.
2 – Eu pincelei com leite porque gosto do chocotone/panetone que fica fosco depois de assado. Pra quem prefere aquele acabamento mais brilhoso (tipo de pão doce caseiro) é só trocar o leite pela gema.

Essência de Panetone – original aqui

1/2 xícara de água
2 colheres sopa de açúcar cristal
1/4 colher chá de noz moscada em pó*
1 pau/rama de canela
1/2 xícara de bebida alcoólica
raspas de 1 limão pequeno – ou 1/2 grande
5 cravos

* caso você tenha o costuma de ralar a noz na hora ótimo, ela ficará ainda mais aromática.

Misture todos os ingredientes e leve ao fogo mais baixo possível. A ideia é que todos os sabores se intensifiquem e se misturem com o tempo. É preciso cozinhar e reduzir até chegar a quantidade de 2 colheres sopa. O açúcar vai começar a caramelizar então cuidado pra não queimar. Deixe esfriar antes de usar.

Chocotone

2 1/2 xícaras de farinha de trigo
4 colheres sopa de açúcar refinado
1/2 colher chá de sal
2 ovos
40g de manteiga derretida mas fria
5g de fermento biológico seco – meio pacotinho
3/4 xícara de leite morno
100g de chocolate picado ou gotas de chocolate
2 colheres sopa de essência de panetone
raspas de 1 laranja
leite para pincelar

Dissolva o fermento no leite e no açúcar. Acrescente a essência e a manteiga e misture.
Bata ligeiramente os ovos até ficarem homogêneos e junte a mistura. Acrescente então as raspas, o sal e a farinha e sove a massa até que forme bolhas. Divida a massa em duas e coloque metade do chocolate em cada parte. Misture o chocolate na massa apenas o suficiente para que os pedaços não fiquem concentrados em um único espaço.
Se for usar formas próprias para panetone apenas boleie cada metade de massa e transfira para cada forma.

Se for usar assadeira comum escolha assadeiras redondas, de fundo removível (ou aro) de cerca de 15cm. Unte com manteiga, cubra fundo e lateral com papel manteiga e unte o papel também. Só então transfira cada metade de massa para cada forma.
Deixe descansar por 2h, pincele com o leite ou a gema, e leve ao forno já aquecido a 230° até que doure bem.

————————————-
Em 2014: Doce de leite ninho

Salvar

Ginger Man

Já tentei algumas vezes fazer o tal “Homem Biscoito de Gengibre”, falhei miseravelmente algumas vezes, cheguei perto outras, mas dessa vez eu acertei, ficou uma delícia!!!

Esses bonequinhos são meio famosos principalmente porque a criançada americana deve adorar fazer e, principalmente, comer. A verdade é que o sabor gengibre em coisas doces não é muito comum por aqui. Mas deveria ser porque o sabor super suave do gengibre combina muito com o biscoito!

(numa das falhas miseráveis eu devo ter usado 1kg de gengibre porque aquele ficou horrível….)

A receita veio lá do panelinha, mas pela primeira vez precisou de reparos nessa cozinha. A primeira leva feita exatamente de acordo com o site ficou com uma textura esquisita e começou a queimar antes de assar. Um pouco mais de farinha, uma segunda ida a geladeira e pronto: biscoitos crocantes e que seguram a forma dos bonequinhos! O último desafio foi confeitar fazendo as carinhas, e aí vem a prova de que realmente eu não nasci pra ser artista plástica…. Mas ainda assim, a graça deles é cada um ser do seu jeito, com cara de feito em casa mesmo, então tá valendo!

PS: uma fofura a mais são esses mini mini mini biscoitos pra colocar num pote bonito e dar de presente!

Biscoitos de Gengibre – original aqui

50g de manteiga sem sal
1/2 xícara de açúcar mascavo
2 colheres sopa de mel
1 1/4 xícara de farinha de trigo
1 colher chá de gengibre em pó
1/2 colher chá de bicarbonato de sódio
1 ovo médio

Leve ao fogo o açúcar com a manteiga e o mel até que derreta.
Enquanto isso em uma tigela peneire todos os ingredientes secos e misture.
Junte o ovo aos secos e comece a misturar. Vá acrescentando a mistura derretida aos poucos e misturando até ficar uma massa homogênea. Cubra com filme plástico e leve ao congelador por 1 hora (ou a geladeira por vááárias horas).

Para abrir a massa mais facilmente eu usei o próprio filme plástico que usei pra cobrir:
Enfarinhe o filme plástico como se fosse a bancada e coloque a massa sobre ele, dobre o plástico cobrindo a massa e abra com um rolo. Dessa forma quando cortar a massa ela sairá do plástico sem perder a forma do cortador. Transfira os biscoitos para uma assadeira com silicone ou untada e enfarinhada. Leve as asssadeiras para a geladeira por 30min e depois leve ao forno a 180°, já aquecido, por 25min.

Deixe que os biscoitos amornem antes de tirar da forma e deixe que esfriem completamente antes de confeitar.

Para confeitar vale usar açúcar refinado mas o de confeiteiro é melhor. Misture algumas colheres de açúcar com um pouco, bem pouco, de água. Vá colocando gotas de água aos poucos até formar uma pastinha meio mole. Para facilitar é só colocar em uma manga de confeiteiro (ou sacola cortada) com um bico perlê pequeno e exibir seus dotes artísticos.

Salvar

Clericot da casa

O clericot / clericô / clericó, além de vários nomes, parece ter algumas origens não comprovadas… Mas acho que ninguém duvida que ele é meio que um primo da Sangria, só que feito com vinho branco e espumante.

Como boa receita antiga sem origem comprovada essa aparece em várias versões. Algumas levam apenas o espumante, algumas acrescentam refrigerante e outras até suco de frutas. Muitas delas também são saborizadas com algum tipo de licor, normalmente de laranja ou similar. Sem contar que as frutas presentes também variam.
O que temos em comum é basicamente a ideia do que é o Clericot: uma bebida clara, alcoólica, espumante/frisante, com frutas picadas misturadas. E baseada nessa ideia resolvi criar a versão daqui de casa.

Como aqui vinhos mais doces são a preferência resolvi misturar uma espécie de xarope ralo ao espumante. No lugar de medidas iguais coloquei apenas metade do açúcar em relação a água, para não ficar doce demais. Para quem é fã de bebidas mais “secas” ou amargas minha sugestão é trocar esse xarope ralo (ou parte dele) por água tônica. Também é possível trocar por água com gás para conseguir borbulhas a mais e apenas suavizar o sabor do espumante. Existem ainda as diferenças entre os espumantes em si (escolhi um tipo Brut), e aí dá pra imaginar que são possíveis infinitas combinações de acordo com o seu gosto.

E quanto a parte das frutas também existem infinitas variações. Eu escolhi frutas que achei que combinavam entre si. Outras que são muito comuns de serem usadas são: cerejas (in natura ou não), uvas sem sementes, maçãs argentinas e pêssegos. De novo, dá pra escolher de acordo com o gosto de quem vai beber, mas independente da escolha, é interessante prestar atenção a duas coisas: Se possível mantenha as frutas na geladeira antes e depois de picar para que não esquentem a bebida. E não guarde esse drink para o dia seguinte, tanto o espumante vai perder o gás e graça, quanto as frutas poderão começar a passar.

Clericot da casa

1 garrafa espumante
1 xícara de água
1/2 xícara de açúcar
4 xícaras frutas picadas
sugestão: morangos, melão, abacaxi e maçã verde

Comece misturando o açúcar com a água e levando ao fogo alto. Assim que o açúcar derreter e a mistura começar a ferver desligue o fogo. Deixe esfriar e então leve para a geladeira até que gele completamente.
Pique as frutas em tamanhos parecidos e misture. Transfira as frutas para uma jarra alta ou para uma poncheira. Cubra com a água doce e misture. Acrescente o espumante logo antes de servir.

——————————-
Em 2014: Geleia de Pimenta

Salvar

Sementes de abóbora pra festa

Começando o mês de festas com petisco fácil de fazer pra gente já ir animando a reunir a família e os amigos pra beliscar e jogar conversa fora.

Essa receita é mais um improviso que deu certo, e por isso mesmo não tem medidas exatas, é tudo meio que “no olho”. A manteiga serve pra fritar as sementes, e por isso elas ficam crocantes por fora mas com a textura original por dentro. Já o açúcar é tanto pra dar um sabor agridoce quanto pra ajudar a caramelizar a casca e dar essa cor linda delas! Por isso, apenas algumas pitadas são o suficiente.

Só um detalhe: como as sementes não secam antes de ir pra frigideira elas acabam murchando se ficam guardadas de um dia pro outro. Essa é uma receita pra ser feita logo antes de servir!

Semente de abóbora para festa

sementes de abóbora
manteiga sem sal
açúcar refinado
sal

Limpe bem e seque completamente as sementes de abóbora (vale qualquer abóbora).
Em uma frigideira derreta um pouco de manteiga, apenas o suficiente para cobrir o fundo da frigideira.
Polvilhe o açúcar na manteiga e junte as sementes mexendo de vez em quando  para que não queimem. Quando as sementes já estiverem douradas acrescente algumas pitadas de sal.
Espalhe as sementes sobre um prato e espere esfriarem para que não grudem em um único bloco. Acerte o sal e sirva em seguida.

—————————————-
Em 2014: Baguete Recheada

Salvar