Fudge fácil, ou brigadeiro em pedaços

É leite condensado com chocolate. Pronto, receita dada, pode ir pra cozinha fazer…

Tá, eu explico melhor…rs
Esses quadradinhos delícia são chamados de fudges. Segundo a tia Wikipedia: fudges são feitos de açúcar, leite e manteiga, tipo um caramelo, e podem (PODEM) ser aromatizados (AROMATIZADOS) com chocolate. Segundo a minha experiência pessoal caçando receitas na internet desde que conheci o tio Google: fudges são 99% das vezes feitos com chocolate, as vezes com chocolate e mais alguma coisa. Como por aqui a gente nem gosta de chocolate vamos com esses sim.

E vamos com um feito no micro-ondas e que leva só 2 (originalmente 3) ingredientes que é pra facilitar a vida. Sim, eu já mexi numa receita que era tão fácil. Cortei o extrato de baunilha fora. Não me levem a mal, eu adoro baunilha, mas nunca consigo sentir o gosto ou qualquer diferença quando a receita é de chocolate. Pra quem quiser usar é só acrescentar 1/2 colher de chá de extrato depois que tirar do micro-ondas.
Por fim vamos lembrar que é verão né gente… Embora na receita original a pessoa diga que dá pra guardar fora da geladeira por aqui não é bem assim. Quando acabei de cortar tudo meus dedos já estavam cobertos de chocolate.

(Não estou reclamando….)

Mas então favor tratar esses fudges como você trataria brigadeiro: mantenha na geladeira para ficar firme, cubra com algum confeito ou assuma que ele vai perder a forma e quadradinho e tudo bem. Afinal, se brigadeiro a gente come quente, gelado, enrolado, de colher, podemos aplicar a mesma regra pro fudge né?

E pra acabar esse textão: resolvi experimentar e coloquei uma micro pitada de sal em um dos cantinhos. Eu gosto de misturar doce e salgado então adorei. Se você nunca experimentou faz como eu e testa só numa parte. Agora bora lambuzar os dedos de chocolate!

Fudge – original aqui

170g de chocolate*
1/2 lata de leite condensado

*eu usei 70g de chocolate 65% e 100g de chocolate 50%. A variação e os tipos de chocolate usados podem variar de acordo com o seu gosto. Só recomendo que seja chocolate meio amargo ou amargo para não ficar doce em excesso.

Pique o chocolate e junte com o leite condensado. Leve ao micro-ondas por 30seg, retire e misture bem. Eu precisei colocar mais 5seg, se precisar coloque de poucos em poucos segundos para não queimar.

Para facilitar a retirada do fudge forre uma vasilha de vidro com papel manteiga, deixando sobrar nas laterais. Unte a vasilha e o papel com manteiga (por garantia). Despeje a mistura de chocolate na vasilha preparada e deixe secar. Se for colocar grãos de sal, ou outro tempero, coloque por cima da mistura antes de deixar secar.
Eu coloquei na geladeira por umas 2h mas se o dia não estiver quente e você não tiver pressa pode deixar secando fora da geladeira mesmo. Depois de firme corte os quadradinhos. Guarde na geladeira, em vasilha tampada.

————————————
Em 2014: trem de minuto

Salvar

Salvar

Bialys, melhor que a esfiha do gênio

Sabe esfiha aberta? Um disco de massa com bordas mais gordinhas e o meio “coberto pelo recheio”? Bialys são quase isso.

A diferença do Bialys pra esfiha é a massa, já que a esfiha não tem uma massa que cresça tanto nem que fique tão fofinha, mas a ideia é basicamente a mesma. Eles são de origem Polonesa e eu comparo com a esfiha aberta por ser a coisa mais comum no nosso dia a dia pra entender o que eles são. Mas na verdade muita gente coloca os bialys junto dos bagels, aqueles pães bem fofinhos em forma de rosca que vemos em filmes americanos.

Eu achei essa receita em um site gringo e apaixonei com a ideia. Além disso não é uma receita difícil de fazer, só é preciso ter paciência pra esperar a massa crescer. Ela descansa duas vezes, então melhor se programar pra não ficar até tarde preparando seus (suas?) Bialys. Quanto ao recheio, o mais comum parece ser mesmo o de cebola, as vezes acompanhada de alho e sementes de papoula. Mas segui a sugestão do site e fiz algumas unidades recheadas com queijo cottage, que temperei com um pouco de sal.
Tá tudo explicado na receita ali embaixo, agora é só tentar em casa e contar a sua experiência!

Bialys – original aqui

3 xícaras de farinha de trigo
1 colher chá de fermento biológico seco
1 colher sopa de açúcar refinado
1 colher chá de sal
1 1/4 xícara de água morna
leite para pincelar – pode ser óleo se quiser mais dourado
óleo para untar
farinha integral* para abrir a massa – pode ser comum

* a farinha integral dará uma casquinha mais crocante para o bialy portanto, se não tiver é só usar farinha comum que tá tudo bem.

Misture todos os ingredientes secos em uma vasilha e aos poucos acrescente a água morna. Sove a massa até que se forme uma bola lisa e elástica. Cubra com um pano úmido e deixe descansar por 2 horas para crescer.
Depois desse tempo parta a massa em 8 pedaços (ou mais se quiser bialys menores) e boleie cada um. Para isso polvilhe a bancada com a farinha integral e pegue cada pedaço e vá enrolando com uma mão contra a bancada e fazendo uma ligeira pressão. Essa pressão ajuda a dar força para a massa. Transfira as bolinhas de massa para uma assadeira untada e cubra novamente com o pano úmido e deixe descansar mais 1h a 1:30h.

Unte uma assadeira grande (não use papel manteiga pois gruda horrores) e ligue o forno a 200°. Unte uma tigelinha/xícara na parte de baixo, ela que vai ajudar a dar forma no bialy. Trabalhe com uma bola de massa de cada vez. Achate ligeiramente com as mãos e centralize a tigelinha sobre a massa. Pressione formando uma depressão no centro da massa e deixando as bordas mais altas. Se necessário vá apertando o centro com os dedos e abrindo mais a depressão. Transfira para a assadeira untada e fure todo o centro afundado com um garfo. Faça o mesmo com o restante da massa.

Recheie/cubra cada bialy com o recheio escolhido e pincele as bordas com o leite/óleo. Leve ao forno até que dourem. As minhas não douraram porque meu forno tem vontade própria, se for o seu caso fique de olho no fundo delas, ele com certeza vai dourar.

os recheios escolhidos foram:

2 cebolas médias
2 colheres sopa de azeite
1 colher chá de açúcar
2 pitadas de sal
páprica doce a gosto

Dourei as cebolas com os demais ingredientes até ficarem macias. Quem quiser adicionar um pouco de balsâmico também fica muito bom! Utilize apenas quanto já estiver frio.

1 colher bem servida de queijo cottage em cada
1 pitada de sal grosso em cada.

Salvar

Salvar

Condessa Refrescante

Drink fácil hoje com nome que eu ainda não consegui entender… Não faço ideia de pq essa mistura recebeu o nome de Condessa. Mas sei que, como sempre, resolvi meter o bedelho e acrescentei umas folhas de hortelã pra deixar mais refrescante ainda!
Apesar dessa pequena alteração o Condessa é um drink muito fácil de fazer (só misturar) e com ingredientes fáceis de encontrar: água de coco e vodka. Eu usei água de coco de caixinha pois tinha uma na geladeira, mas sempre sempre sempre prefira o coco fresco se puder… 😉

Condessa Refrescante – original aqui
servem 3 drinks

3 doses de vodka gelada
3 doses de água de coco
hortelã a gosto
gelo a gosto

Misture bem a vodka com as folhas de hortelã e a água de coco. Sirva em copos cheios de gelo.
Pra quem quiser um gosto de hortelã bem proeminente macere as folhas de hortelã com a vodka antes de misturar a água de coco.

—————————–
Em 2014: Bolo Formigueiro

Salvar

Salvar

Bolo Invertido de Peras – sem manteiga

O bolo branco simples ganhou uma cobertura de peras com caramelo!

Ou pelo menos devia ter ganho porque a linda da minha forma resolveu que não ia fechar direito e deixou metade do caramelo vazar no forno…. :/

Mas como ainda assim o bolo ficou uma delícia, e como mesmo sem peras e caramelo é sempre bom ter uma receita de bolo simples, hoje essa é a receita do Cozinha. Tudo começou com um episódio de The Good Wife e um certo bolo favorito do Seu Peter: bolo invertido de abacaxi. E não tinha abacaxi em casa mas tinhas umas peras dando sopa. A gente já mostrou um bolo com peras por aqui, lembra? Mas essa ideia do bolo invertido me conquistou rapidinho…

E pra dar emoção pra história era fim de semana e não tinha manteiga em casa e em nenhum comércio que estivesse aberto. Então bora fazer bolo e caramelo sem manteiga porque sem bolo a gente não fica! Acabou que ficou bom, um bolo bem fofinho e com o topo bem úmido do falso caramelo. E né, se alguém estiver sem manteiga em casa pode relaxar que dá pra fazer com óleo vegetal sem problema.

Bolo Invertido de Peras

4 colheres sopa de óleo
2 ovos
1/2 xícara de leite – integral
1 xícara de açúcar refinado
1 1/2 xícara de farinha de trigo
1/2 colher sopa de fermento em pó
2 peras
1/2 xícara de água
3/4 xícara de açúcar cristal

Misture o açúcar cristal com a água e leve ao fogo alto. Quando o açúcar derreter baixe o fogo e deixe apurando até que as bolhas comecem a ficar maiores e mais lentas. Não tem temperatura exata por aqui, eu só não deixei ficar dourado. Enquanto isso prepare uma forma de fundo falso, que com certeza não vaze: unte o fundo e as laterais. Forre o fundo com um disco de papel manteiga e unte novamente.

Corte as peras em gomos finos e disponha sobre todo o fundo da forma. Cubra com o caramelo e reserve. Prepare a massa misturando todos os ingredientes secos e depois juntando os líquidos. Essa é daquelas massas de bolo e vó sem muito segredo. Pode misturar bem até não ter nenhum grumo. Cubra as peras com a massa e leve ao forno até que a massa asse completamente. Espere amornar antes de desenformar, mas não espere até esfriar completamente ou pode ficar difícil tirar o papel manteiga das peras.

———————–

Em 2014: Grissini

Salvar

Salvar

Casquinhas de batata, ou fake pringles

Sabe aquela batata frita sequinha, mega temperada que é vendida num tubo? Pois é, era pra ser a versão caseira dela… E saiu bem caseira mesmo. O que não quer dizer ruim de forma alguma!! rs

A receita veio do Brogui e eu segui quaaaase a risca. A única mudança foi a marca do purê instantâneo, eu não encontrei o Knorr e acabei usando um da Yoki. Eu achei as batatas meio sem sal, então não sei se era pouco sal na receita ou se o purê da Yoki que é meio sem tempero mesmo. De qualquer forma isso é bem fácil de resolver né, tacou um salzinho por cima e pronto!

Ainda assim, levando essa troca em conta, não consigo chamar essas batatas de pringles caseiros. É que a textura acaba ficando bem diferente das originais. Tá mais pra uma batata chips mega fininha. E mega crocante!! Sério, super mega power crocantes! E o legal é que algumas (não sei pq não todas) inflaram igual balão e aí ficaram duas casquinhas mais do que mega crocantes em uma. Tipo na foto ó:

Enfim, não são pringles. Não sei se foi a receita ou se fui eu, mas não ficaram iguais a pringles. Mas são petiscos incríveis, bem gostosos, que valem muito a pena fazer!

Batata Chips mega crocante – original aqui

1 xícara de água morna
1 xícara de farinha de arroz
1 xícara de purê de batatas instantâneo
1/4 colher de chá de sal
1/4 de colher de chá de fermento em pó
1 colher de sopa de amido de milho
Óleo de amendoim o suficiente pra fritar
Farinha de arroz pra abrir a massa

Em uma vasilha misture todos os ingredientes secos. Acrescente a água e misture bem. A minha massa ficou seca demais então acrescentei uma colher sopa de água, mas isso é variável (por isso não tá na lista dos ingredientes).
Amasse com as mãos até conseguir uma massa coesa. Pra ficar mais fácil fiz isso com partes da massa de cada vez e deu tudo certo. Enfarinhe a bancada com a própria farinha de arroz pra abrir a massa.
Com um rolo abra a massa até ficar beeem fininha, talvez seja necessário ir enfarinhando tanto a massa quanto a bancada durante o processo. Corte círculos com um cortador ou copo/xícara/etc e abra cada círculo mais uma vez. Pra essa segunda vez eu passei o rolo sobre cada círculo uma vez na vertical, uma na horizontal. Dessa forma eles não ficam perfeitamente redondinhos mas ficam bem mais finos.
Frite em óleo bem quente, mas não deixe dourar demais.

Salvar

Paçoca de rolha, igual aquela que a gente ama

Sabe paçoca de amendoim? Aquela em formato de rolha que a gente ama de paixão e reza pra resolver patrocinar esse Cozinha? Aquela da embalagem amarela…. sabe? Ó que que eu fiz!

Calma que eu não desembrulhei um mundo de paçoquita paçoca da embalagem amarela e coloquei num prato pra chamar de post não… Essa foi feita em casa mesmo! É, também achei que não ia dar certo.

E foi feita só com 3 ingredientes igual tá escrito na embalagem da original. É eu também jurei que nem sonhando ia dar certo. Mas aí eu vi esse vídeo aqui. E aí “não é possível que essa pessoa linda de meu deus fez paçoquita em casa!!!! Deixa eu tentar também!!” foi o que aconteceu.

Essa é daquelas receitas que parece que vai dar tudo errado e aí dá tudo certo da forma mais simples possível. A verdade é que é só misturar tudo e modelar as paçocas e aí é que tá o segredo. Depois de bater no liquidificador pra misturar bem é só ir misturando com as mãos. O calor das mãos vai ajudar o amendoim a soltar o óleo que vai juntar todos os ingredientes e quando a gente prensa a massa no cortador de biscoito a paçoca ganha aquela consistência linda dela, que parece que vai esfarelar e não esfarela.
Pra quem não tiver um cortador de biscoito de tamanho legal vale assistir o vídeo pra aprender a fazer com tubinhos de PVC, esses comuns mesmo. Aqui eu usei um cortador um pouco mais largo e mais baixo que o normal, mas deu super certo. Só não aconselho cortadores com muitas reentrâncias pois pode ficar difícil desenformar.

Paçoca de Rolha – original aqui

2 copos de amendoim
1/2 copo de açúcar
1/4 colher chá de sal

Bata tudo no liquidificador até misturar bem. Provavelmente vai ser preciso para o liquidificador e soltar das laterais com uma colher e voltar a bater.
Transfira para uma vasilha e vá mexendo com as mãos para o amendoim ir soltando o óleo (o calor das mãos ajuda). Prove o sal e se for o caso ajuste.
Coloque um cortador de biscoito na palma da mão e preencha com a mistura. Vá apertando até ficar bem compacto. (Mas não tenha preguiça de prensar! No final já tava ficando meio cansada e algumas não ficaram tão bem prensadas e acabaram esfarelando nos cantinhos.) Daí é só retirar do cortador delicadamente e guardar numa vasilha com tampa.

Salvar

Pâte à choux e fondue de mini carolinas

Hoje é dia de aprender a fazer profiteroles, bomba de chocolate, carolina, éclair, choux e mais algumas coisas. O truque lindo é que é tudo a mesma massa. Povo esperto né? Aqui a gente inventou mais uma e escolheu mini carolinas pra fazer fondue!

Primeiro alguns esclarecimentos: éclair e bomba de chocolate é praticamente a mesma coisa. Na verdade a bomba de chocolate é uma éclair de chocolate e tanto bomba quanto éclair podem ser com qualquer sabor de recheio e cobertura. A necessidade é o formato mais alongado, o recheio e a cobertura.

Profiteroles e carolinas também são meio irmãos gêmeos. Muita gente considera os dois a mesma coisa. E outras pessoas diferenciam pelo tipo de cobertura, as carolinas seriam mais rústicas e com coberturas mais firmes, e os profiteroles seriam mais finos e com coberturas mais moles. Ambos podem ter qualquer tipo de recheio ou apenas alguns recheios bem específicos de acordo com cada pessoa que a gente pergunte.

Agora, o importante é que tudo isso (e mais um pouco) é feito com a tal Patê à Choux. O nome significa massa quente, já que a primeira parte é feita na panela. O processo lembra um pouco a massa de coxinha: líquidos aquecidos, farinha misturada, cozinha na panela, termina fora do fogo e depois de modelado frita/assa pra finalizar. Pra essa primeira tentativa eu segui o passo a passo da Uiara do Plat du Jour e não alterei nada. Quer dizer, só o uso final da massa…rs

Em vez de fazer uma bolinha pra rechear fiz miniaturas pra espetar no garfo e mergulhar no fondue. A modelagem é parecida com a de um suspiro, só não dá pra deixar aquela pontinha pra cima pois o tempo de forno é bem maior e corre o risco de queimar.

Pâte à Choux – original aqui

125ml de água
125ml de leite – usei integral
125g de manteiga sem sal
1 pitada de sal
1 xícara de farinha de trigo
5 ovos
1 ovo pequetito pra pincelar

Leve ao fogo os líquidos e o sal até começar a ferver. Baixe o fogo e acrescente a farinha de uma vez. Amasse a massa no fogo baixo até que incorpore totalmente a farinha. Aumente o fogo novamente e misture enquanto cozinha por cerca de 3-4 minutos, apenas para cozinhar a farinha.
Retire a massa do fogo e deixe descansar uns 5 minutos para amornar. Enquanto isso ligue o forno a 180° para ir aquecendo e prepare as assadeiras forrando cada uma com papel manteiga.
Acrescente os ovos um a um na massa, mexendo sempre entre cada adição até incorporar cada ovo completamente. Transfira a massa, que terá ficado bem mais mole, para um saco de confeitar e formate de acordo com o resultado final que preferir. Dessa vez foram pequenas bolinhas, como se fossem suspiros. Leve ao forno por 10minutos. Então abra ligeiramente a porta do forno, pode ser com uma colher de pau, e deixe assim até que a massa doure.

Para o fondue:

300g de chocolate meio amargo
1 lata de creme de leite sem soro

Basta derreter o chocolate e misturar o creme de leite e servir ainda quente.
Também vale escolher uns confeitos coloridos ou outro tipo de cobertura do seu gosto.

Salvar

Couve-flor gratinada – Drops

O drops de hoje é daqueles que fazem vista na mesa, mas é super fácil e cai na categoria do invente o que quiser. Afinal, dá pra rechear essa couve-flor gratinada com o que vier a mente.

Essa receita apareceu pra mim num vídeo no facebook, e sofreu algumas adaptações pra atender os gostos da família. Ganhou presunto, perdeu a cebola… esse tipo de coisa.
E como eu disse, dá pra você fazer do jeito que preferir, inclusive deixando a receita vegetariana.

Eu achei interessante porque todas as receitas de couve-flor gratinada que já tinha visto era com ela em pedaços, e essa dá um visual legal no final. Minha única ressalva é ficar de olho na couve-flor durante o cozimento, se ela ficar macia demais pode acabar quebrando toda na hora de rechear. Deixe ao dente, já é o suficiente pra ficar gostosa e fácil de montar.

Couve-flor gratinada – original aqui

1 mega couve-flor
mussarela em tubos
presunto em tubos
pimentões coloridos em fatias
requeijão
muito queijo parmesão ralado
temperos a vontade – usei curry e cominho

Limpe as folhas e depois cozinhe a couve-flor inteira, você pode fazer isso tanto em água com sal quanto no vapor. Só lembre de virar a couve-flor pois como ela estará inteira corre o risco de cozinhar demais um lado e de menos o outro caso não vire.
Coloque-a em uma travessa e coloque a mussarela, presunto e os pimentões, ou o que você tiver escolhido, entre os floretes. Tempere tudo com um pouco de sal e os temperos escolhidos e cubra com requeijão. Por fim cubra tudo com o parmesão ralado e leve ao forno até gratinar.

PS: Esse post só tem uma foto, e meia boca ainda por cima, por motivos de estávamos com  muita fome e o cheiro tava muito bom pra parar pra tirar foto….

————————————————-

Em 2014: Bolo de Abóbora

Salvar

Pato com Laranja – mas pode ser frango

Eu fiz pato! Nunca tinha feito pato, na verdade só tinha comido uma vez…. E contra todas as probabilidades (cozinhando algo pela primeira vez, e salgado que não é bem meu forte) deu certo pra caramba! Méritos devem ir pra minha sorte e pra origem da receita: o programa do Seu Olivier no GNT.

E claro, mesmo cozinhando pato pela primeira vez, ainda mudei uma ou duas coisas na receita. Ignorei as batatas que acompanham já que tinha outros planos para aquele almoço. Também troquei o tipo de vinagre usado porque nem sonhando ia sair de casa, baixar no supermercado e comprar uma garrafa de vinagre que não tenho o costume de usar só pra seguir a receita a risca. E a maior mudança creio eu: não usei um pato inteiro e sim coxinhas de asa. Imagino que o resultado seja bem diferente é claro, mas fica registrado que não importa o corte, fica bom. Aliás, acho que pra quem não come pato deve ficar bom com frango também, já que frango com laranja é uma combinação certeira.

Pato com Laranja – original aqui

1 kg de pato – usei coxinhas da asa
3 laranjas – usei do tipo bahia
1 limão*
1/2 xícara de açúcar refinado
1/2 xícara de óleo
2 colheres sopa de vinagre de arroz
4 colheres de caldo de carne concentrado**
sal e pimenta do reino
cebolinha/salsinha a gosto

* eu usei limão capeta que é mais ácido então escolhi um pequeno, pra quem for usar o taiti ou o siciliano vale um limão grande.

** O caldo de carne concentrado pode ser substituído por 1 xícara de caldo comum ou por um tablete de caldo (eu evitaria esse se fosse você, meio que pro resto da vida)

Comece espremendo as laranjas e separando o suco. Retire a polpa restante em uma das laranjas e lave bem a casca, depois corte-a em tirinhas. O processo é parecido com o de fazer as casquinhas açucaradas.

Leve ao fogo em uma panelinha com 1 xícara de água. Quando começar a ferver conte 5 minutos e desligue. Separe a água em uma jarra e repita o processo mais duas vezes, sempre reservando a água da fervura.

Agora em uma panela grande aqueça o óleo. Tempere o pato (ou os pedaços) com sal e pimenta, a gosto, e transfira para a panela apenas para selar. Quando a pele estiver dourada retire o pato da panela e baixe um pouco o fogo. Se ainda tiver muita gordura na panela retire também. Essa gordura não precisa ser guardada para essa receita.
Na mesma panela junte o açúcar e espere um pouco para começar a derreter. Adicione então 1 xícara da água da fervura das laranjas e misture bem. Junte ainda o vinagre, o suco de laranja e o caldo de carne e misture bem.

Volte o pato para a panela e aumente o fogo novamente. Deixe cozinhando até que a carne fique macia. Isso pode demorar um pouco (ou bastante) então a medida que o líquido da panela for secando vá adicionando a água das laranjas. Dependendo da sua panela o pato não ficará imerso completamente no caldo, então não se esqueça de ir molhando todos os pedaços com o caldo a cada 15 minutos mais ou menos para que a carne não fique seca.

Quando a carne já estiver macia acerte o sal, retire o pato da panela e coloque na travessa em que for servir. Se o caldo ainda estiver muito líquido deixe ferve até reduzir e começar a engrossar. Adicione então as tirinhas de casca de laranja e o caldo do limão e baixe o fogo. Deixe por alguns minutos até que também fiquem macias mas não deixe o líquido ferver para que não amarguem. Coloque esse molho com as casquinhas sobre o pato e finalize com a cebolinha/salsinha picada.

Em 2014: Pão de Abóbora

Salvar

Salvar

Bolo de coco

Bolo de coco vestido pra festa com direito a recheio de beijinho e cobertura de ganache branca! Essa é a receita de hoje:

E quase que não veio já que o bolo como um todo quase deu certo. Não me levem a mal, o resultado ficou uma delícia e numa receita acho que o mais importante é o gosto mesmo. Por isso esse bolo tá aqui hoje. E porque o “quase deu certo” foi por conta de erros bobos que prejudicaram a apresentação. Erros bobos que eu corrigi na receita mais abaixo.

Mas vamos por partes. Primeiro o bolo de coco, que é realmente uma delícia e veio de um site gringo. E cuja única mudança que fiz foi alterar o sabor. Enquanto o bolo original é um bolo branco, eu troquei o leite por leite de coco e voilà: bolo de coco. O erro bobo dessa parte? É um bolo amanteigado, e esses bolos não precisam ser molhados pois a alta taxa de gordura já deixa eles bem úmidos. A pateta aqui nem pensou nisso e na hora da montagem tacou calda de açúcar pra ficar um bolo bem molhadinho… Resultado: o bolo delícia virou um bolo delícia embatumado. Então pra aproveitarem esse em todo o seu potencial nada de molhar o bolo com calda/suco/refrigerante nem nada.

Agora o recheio: um beijinho simples, dos que quase sempre rechearam os bolos aqui em casa e que se enrolado vira docinho de festa. O erro bobo? Ignorar os instintos e apertar o ponto no fogo até que ficasse em ponto de enrolar brigadeiro. É ótimo pra comer enrolado, mas para um bolo é melhor um recheio mais macio. Como evitar? Não deixe apertar muito o ponto. Se antes de confeitar você ver que o doce ficou muito firme coloque um pouquinho de leite e leve de volta ao fogo pra amolecer um pouquinho. (aprendi esse truque enquanto comia o bolo….)

E por último a cobertura! Fiquei com medo de a cobertura ficar muito firme depois de batida e acabei usando muito creme de leite. O resultado foi uma ganache ultra leve, maravilhosa de se comer de colher! E maravilhosa pra escorrer da lateral do bolo também…rs Olhem nas fotos como o bolo não fica retinho. Isso acontece porque a cobertura ficou muito mole e não segura o próprio peso. Pra evitar isso as medidas já estão corrigidas na receita abaixo. 😉

Pensei algumas vezes em não colocar essa receita aqui por não estar realmente como eu gostaria. Mas essa é uma combinação ótima de sabores e acho mesmo que seguindo esses passos meus erros podem ser facilmente evitados. Então tentem em casa e me contem o resultado de vocês, ou mandem fotos pra nossa fanpage ou pro nosso instagram!

Bolo de Coco
xícara de 240ml

Bolo:
2 1/4 xícaras de farinha de trigo
240ml de leite de coco em temperatura ambiente
6 claras de ovo em temperatura ambiente
1 3/4 xícaras de açúcar cristal
4 colheres chá de fermento em pó
1 colher chá de sal
170g de manteiga sem sal em temperatura ambiente

Em uma vasilha bata a manteiga com o açúcar até ficar homogêneo. Adicione a farinha o sal e o fermento e bata novamente. Em outra vasilha bata levemente as claras até começarem a espumar. Junte o leite de coco e misture bem. Adicione essa mistura no creme de manteiga e bata por 2 minutos até ficar uma massa bem lisa.

Unte e enfarinhe uma (ou duas) forma(s) de 20cm de fundo falso. Eu ainda usei um disco de papel manteiga no fundo da forma porque a minha é chatinha de tirar o bolo do fundo.
Leve ao forno, já aquecido a 200°, até que o palito saia limpo. Como ainda vai confeitar não precisa deixar dourar muito, só assar completamente mesmo. Se assar toda a massa em uma única forma, espere esfriar completamente antes de cortar em duas camadas.

Recheio:
2 latas de leite condensado
2 gemas
200g de coco ralado não adoçado
25g de manteiga sem sal

Misture tudo e leve ao fogo baixo mexendo sempre até dar o ponto. O ponto pode ser igual o de brigadeiro para enrolar, caso queira um recheio bem firme. Ou um pouco antes caso queira um recheio mais macio. Deixe esfriando antes de usar, mas não precisa levar pra geladeira.

Cobertura:
300g de chocolate branco
1/2 lata de creme de leite em lata – sem soro

Derreta o chocolate no micro-ondas ou no banho-maria. Junte o creme de leite e misture bem ate ficar homogêneo. Leve para a geladeira por pelo menos 1h. Bata com um fouet ou na batedeira até ficar parecendo um chantilly. Faça isso já na hora de montar o bolo.

Montagem:
Se tiver assado o bolo em uma única forma corte em duas camadas iguais e tendo assado em um ou duas formas acerte o centro para deixar tudo retinho. Esse bolo não precisa molhar (tudo explicado ali em cima) então apenas recheie com o beijinho já frio. Se for um dia muito quente use o próprio anel da forma ou uma tira de acetato para manter a forma do bolo e leve de volta a geladeira por cerca de meia hora. Se não for o caso já comece a “cimentar”:

Cubra o bolo com uma camada bem fina da ganache. Essa primeira camada serve apenas para acertar o formato do bolo então pode ser que algumas partes não recebam praticamente ganache alguma. Tudo bem, é só pra cobrir possíveis falhas e deixar tudo bem lisinho e reto. Leve o bolo a geladeira por cerca de 1h para a ganache firmar. Depois é só cobrir com o restante da ganache e com o coco ralado, ou confeitos da sua escolha.

Salvar

Salvar