Metropolitan mexicano ou algo parecido

Metropolitan mexicano é basicamente um toque de tequila num drink muitíssimo parecido com um Metropolitan…
metropolitan mexicano

Tá, eu confesso, o drink que experimentei chama Mexican Lover; traduzindo: amante mexicano(a). E eu me recuso a aceitar essa coisa cafona como nome de drink aqui do Cozinha. Mas o sabor final é bom, o jeito de fazer é fácil e os ingredientes não são tão absurdos… Então sim, eu queria trazer essa receita pra cá.

Como sempre, fui buscar a história da receita, os porquês do nome, essas coisas. E não achei nada. Absolutamente nada! A única referência a esse drink, com esse nome é no próprio site da Absolut, de onde tirei a receita. Daí fui procurar por outras combinações de conhaque com vermute e achei o tal do Metropolitan. Ele tem outros ingredientes? Tem. Mas eu acho que, licenças poéticas a parte, dá pra improvisar o nome desse como um Metropolitan mexicano mesmo. (Tequila, México, pegaram a piada ruim?)

Vai ter Metropolitan tradicional aqui no Cozinha sim. Mais pra frente ele aparece….

Metropolitan mexicano – original aqui

1/3 dose de conhaque
1 dose de tequila
1/3 dose de vermute doce

Junte todas as bebidas num copo com bastante gelo e misture até ficar bem gelado. Sirva em taças também com gelo.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Pastel de Angu, pra congelar e fritar sempre que quiser

Pastel de angu, aquele petisco que ficou famosão uns tempos atrás mas resistiu ao hype e continua valendo a pena experimentar!
pastel de angu

Contexto: cresci tendo angu quase todo dia na mesa do almoço; quando não tinha angu fresco a gente fritava o do dia anterior partido em pedaços. Fritava não, frita até hoje: angu frito (ou polenta frita como algumas partes do país chamam) ainda é uma constante aqui em casa. Preciso dizer mais alguma coisa pra vocês entenderem como a ideia de pastel de angu parece maravilhosa pra mim? É o angu frito de todo dia com recheio!!!

E eu já tinha tentado fazer uma vez com alguma receita que encontrei internet afora. Essa usava farinha no lugar do polvilho e, por isso mesmo, a massa ficava ultra seca, quebradiça mesmo. Terrível. Não usem farinha no lugar do polvilho. Fui atrás da receita mais original, lá de Itabirito. E pronto. Deu super certo!

Super certo se você não considerar um pequeno acidente com óleo espirrando no meu rosto. Calma, é fácil evitar isso; basta prestar atenção agora: não coloque o seu rosto em cima da panela quando estiver testando uma receita frita. Nunca! Principalmente se você estiver testando um pastel de angu com recheio de queijo! Mesmo. Fique longe da panela!

Pra quem tem experiência na cozinha parece meio óbvio, mas é a gente que corre mais risco justamente por subestimar a receita. Então sempre preste atenção.

Agora que já assustei todo mundo: façam a receita. Mantenham o recheio de carne, principalmente se você não tem costume de lidar com fritura e massa seladas (como coxinha). Vegetarianos: façam um recheio com soja texturizada. Em ambos os casos é só garantir que o recheio esteja bem sequinho. Mas façam, porque é uma delícia! E essa quantidade rende muitos pasteis, que podem ser congelados já facilitando a vida no futuro!
pastel de angu

Pastel de Angu – original aqui

1 litro de água
2 colheres sopa de óleo
1 colher chá de sal
4 xícaras de fubá
1 ovo
1 pitada de bicarbonato
1/4 xícara de polvilho azedo
recheio a gosto

Ferva a água junto do óleo e o sal. Adicione o fubá e o bicarbonato e misture rapidamente, com fogo baixo. Se achar mais fácil misture o fubá com o bicarbonato em outra panela, ligue o fogo baixo, adicione a água fervente e misture rapidamente. Misture em fogo baixo até cozinhar. Retire do fogo e adicione o polvilho e o ovo e sove e misture bem. Assim que conseguir colocar a mão na massa sove até que ela fique lisa e coesa. Cubra com um pano úmido e comece a modelar os pasteis.

Mantenha a massa coberta enquanto formata os pasteis, para que ela não fique quebradiça. Se o pano começar a secar umedeça novamente. Pasteis formatados é só fritar. Cuidado que espirra!

Esquente uma panela com óleo e frite dois pasteis por vez no máximo. Use uma escumadeira de cabo longo para retirar os pasteis da panela, assim que dourarem.

Salvar

Salvar

Tortinhas de chocolate com doce de leite

Tortinhas de chocolate com doce de leite e um granulado por cima pra completar! E é bem mais fácil de fazer do que parece….
tortinhas de chocolate com doce de leite

A ideia era só fazer um biscoitinho de chocolate pra deixar dando bobeira na lata ali na mesa da cozinha… Daí lembrei da massa sablé, que pode ser base de torta mas que vira um biscoito ótimo, e resolvi adaptar a receita. E fiquei com torta na cabeça… O resultado acabou sendo uma massa sablé de chocolate que vira sim um biscoito simples ótimo, mas que também é base de torta. Pra deixar fofo: tortinhas, feitas em forminha de empada. E pra deixar mais fofo ainda: em forma de flor!

Tá com toda a animação pra cortar a massa em formato de flor, transferir pra forminha, assar e rechear? Ótimo! A receita tá ali embaixo, rende cerca de 30 tortinhas e fica linda enfeitando a mesa. Tá com preguiça de fazer isso tudo, mas ainda assim quer especificamente tortinhas de chocolate com doce de leite? Pegue pequenas porções da massa e forre cada forminha e asse, o resultado serão tortinhas mais simples mas ainda assim gostosas e bonitas. Tá com muita preguiça mas quer um belisquete? Enrole a massa num cilindro e congele, fatie e asse. O resultado serão biscoitos de chocolate simples e gostosos!
tortinhas de chocolate com doce de leite

E como sempre: o recheio de doce de leite é só uma opção! Vale brigadeiro, docinhos em geral, nutella, creme de confeiteiro, geleia, mousse…. Vamos combinar que chocolate combina com praticamente qualquer recheio né?

Massa Sablé de chocolate

3/4 xícara de farinha de trigo
1/4 xícara de chocolate em pó 50% *
1/4 xícara de açúcar refinado *
1 gema
75g de manteiga pommade
1/2 colher chá de café instantâneo – opcional

* Se for usar cacau no lugar do chocolate mude as medidas para 2 colheres sopa de cacau e 6 colheres sopa de açúcar

Bata a manteiga com o açúcar até formar um creme claro. Adicione a gema e o café e bata novamente até ficar homogêneo. Adicione o chocolate e a farinha e vá amassando até formar uma massa lisa e coesa. Não sove, apenas amasse. Enrole em filme plástico e deixe na geladeira por 4h ou no congelador por 1h mais ou menos.

Para biscoitos comuns: Em uma superfície enfarinhada abra a massa, com um rolo, e corte os biscoitos como quiser. Transfira para uma assadeira e leve para o congelador por mais 30min, ou geladeira por mais 2h. Asse em forno aquecido a 200C por cerca de 15minutos, até que o fundo doure. Espere esfriar antes de retirar a assadeira.

tortinhas de chocolate com doce de leite

Tortinhas de chocolate com doce de leite

Massa sablé de chocolate
doce de leite cremoso
creme de leite – fresco ou sem soro
confeitos a escolha
forminhas de empada
cortador de flor pouco maior que a forminha escolhida

Corte os biscoitos em forma de flor e coloque cada um em uma forminha de empada. Asse normalmente e deixe esfriar completamente antes de retirar das forminhas. Misture o doce de leite com o creme de leite aos poucos. Vá provando o sabor e a textura até gostar do resultado. Se estiver usando o creme fresco cuidado na hora de misturar para não bater demais e virar manteiga. Recheie os biscoitos que forem ser consumidos na hora e finalize com o confeito. Se for guardar deixe pra rechear na hora que for comer, ou a massa perde a crocância.

Animou horrores e quer até fazer o próprio doce de leite? Tem receita aqui!

Salvar

Salvar

Salvar

Batida de amendoim – #CozinhaJunina

Batida de amendoim é daquelas receitas bem fáceis de fazer e cujo resultado surpreende!
batida de amendoim

Como a maioria das batidas essa é composta pela mesma fórmula: leite condensado + ingrediente que dá sabor + bebida alcoólica. E é isso mesmo, tem alguns detalhes pra garantir uma batida equilibrada mas continua sendo uma receita bem fácil.

O primeiro detalhe é usar amendoim torrado e moído. Primeiro porque a medida do amendoim moído é diferente da medida do amendoim inteiro. Segundo porque torrado ele fica mais gostoso. O segundo detalhe é: a maioria das receitas usa pinga como bebida alcoólica. Se você adora pinga e tem uma que você acha muito gostosa e que vale a pena usar… Então beleza, vai de pinga. Do contrário, use o conhaque. A batida vai ficar mais suave, e o sabor do conhaque não vai aparecer, deixando o amendoim brilhar sozinho.

E claro, achou que ficou fraquinha? É só acrescentar mais conhaque. E achou que ficou muito rala? Calma que depois de gelada ela engrossa um pouco. Ah, mas gelou e ficou muito espessa…. Adiciona leite bem aos pouquinhos que tá tudo certo!

Batida de Amendoim

1 lata de leite condensado
1 lata de amendoim torrado e moído
cerca de 1 lata de conhaque

É só bater tudo no liquidificador e transferir para uma garrafa com tampa. Mantenha na geladeira por até 2 semanas.

Quer outras bebidas típicas? É só olhar a tag junina!

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Broinhas de Fubá – #CozinhaJunina

Broinhas de fubá com queijo e bacon!
broinhas de fubá com queijo e bacon

Procurando um petisco fácil de levar pra festa junina da turma? Ou pra colocar na lancheira (das crianças ou não)? Essas broinhas são bem fáceis de fazer e funcionam bem pra essas opções. E pro café também!

Eu enriqueci as minhas com queijo na massa e cobertura de bacon, mas essas opções são variáveis. Dá pra trocar o bacon por mais queijo e fazer uma versão vegetariana. Ou além do queijo adicionar presunto (ou salsicha) picadinho na massa. Quer uma versão agridoce? Queijo e erva doce na massa e uma cobertura fina de açúcar cristal antes de ir ao forno.
broinhas de fubá com queijo e bacon

Pra quem quiser ser ainda mais fiel a receita original, lá da Martha Stewart, ainda dá pra substituir o fubá! É que por lá o comum é cornmeal, que não é exatamente a mesma coisa que fubá. Por aqui o que ficaria mais parecido é pegar milharina e bater no liquidificador até ficar fina. Pra quem quiser ter o trabalho o resultado será mais parecido com um pãozinho do que com um bolinho. Como não é todo mundo que tem acesso a conrmeal, ou quer triturar milharina, é só fazer igual eu e usar fubá comum.

Procurando uma versão simples de bolo de fubá? Nesse link tem a que a gente faz sempre aqui em casa!


Broinhas de Fubá – original aqui

1 xícara de farinha de trigo
1 xícara de fubá
6 colheres sopa de açúcar
1 1/2 colher chá de fermento
1/4 colher chá de bicarbonato de sódio
1/4 colher chá de sal
1 xícara de buttermilk*
1 ovo grande
1/4 xícara de óleo
1/2 xícara de parmesão ralado – opcional
cubinhos de bacon frito – opcional

*Para fazer o buttermilk misture uma xícara de leite com 1 colher sopa de limão e espere 20min. Pronto, é só usar.

Misture os ingredientes secos em uma vasilha. Adicione o ovo e o óleo e misture ligeiramente antes de adicionar o buttermilk. Misture tudo muito bem até a massa ficar homogênea, para então juntar o queijo.
Divida a massa em forminhas untadas e enfarinhadas, ou em uma forma maior para um bolo. Cubra com o bacon frito e leve ao fono, aquecido a 200°, até que dourem.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Cocada Baiana – #CozinhaJunina

Cocada Baiana, em versão mini pra sobremesa rapidinha, pra roubar de madrugada, oooou pra sua festa de São João!
cocada

Cocada é daqueles doces bem típicos né? Mesmo assim só tinha tentado fazer uma vez, e o resultado não foi dos melhores. Embora o sabor tenha ficado ótimo os pedaços de coco não se juntavam formando a cocada, e tudo que eu consegui foi uma panelada de coco açucarado. Gostoso, mas não era meu objetivo.

Dessa vez sim, consegui cocadinhas que mantém a forma e não ficaram secas demais. Sabe quando você morde a cocada e ela tá ressecada? Não acontece isso aqui. No primeiro dias elas ficam até úmidas por dentro. Uma delícia!
cocada

A receita original não poderia ser mais a prova de erros, veio do livro A Comida Baiana de Jorge Amado, sobre os pratos da obra de (adivinha quem, adivinha quem) Jorge Amado. Não mudei praticamente nada na receita. Na verdade o que fiz foi corrigir um erro meu mesmo, ou quase. É que o ponto de formatar as cocadas pode se perder muito rápido, e assim acabar como minha primeira experiência: coco açucarado. Tem jeito de resolve e tá tudo explicado na receita abaixo.

Cocada Baiana – original aqui

1 1/2 xícara de açúcar
2 xícaras de água
3 xícaras de coco ralado – usei fresco

Comece preparando a assadeira: forra com papel manteiga e salpique açúcar refinado, ou de confeiteiro, por cima. Misture a água e o açúcar e leve ao fogo médio até atingir o ponto de bala mole. Vai demorar cerca de 50min. Pra conferir o ponto você pode ou pegar uma pequena porção de calda e colocar em copo com água fria (não gelada). No copo a calda deve esfriar e ficar sólida o bastante pra fazer uma bolinha, mas macia o bastante pra modelar com os dedos. Pra quem tiver termômetro é quando atinge 113C.

Ponto atingido desligue o fogo e junte o coco ralado. Misture bem e volte ao fogo baixo, mexendo de vem quando, por cerca de 15 minutos. Dá pra perceber que o coco vai soltar uma água e ela vai secar. Quando não tiver mais líquido na panela desligue o fogo e mexa mais uns 2 minutos pra esfriar um pouco. Modele as cocadas e transfira para a assadeira preparada. Cubra com filme plástico e leve para a geladeira por cerca de 2 horas pra secarem. Depois é só guardar em uma lata.

* Se, enquanto estiver modelando as cocadas, você começar a ver que está ficando muito seco e não segura mais a forma, é fácil de resolver: acrescente umas 2 colheres de água e ligue o fogo baixo, rapidamente, apenas para esquentar tudo junto. Volte a modelar até que fique seco demais de novo, e então repita o truque até acabar tudo.
cocada

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Vinho quente aromático – especial #cozinhajunina

Vinho quente aromático, com direito a suas especiarias favoritas, pra esquentar as noites de São João!
vinho quente aromático
Fiquei me perguntando quais são as bebidas típicas de festas juninas, porque bem, caso vocês não tenham reparado estamos no especial #CozinhaJunina!!! E as primeiras bebidas que a gente pensa normalmente são: Choconhaque, Quentão e Vinho Quente. E como vocês podem notar pelos links acima, todas já foram feitas por aqui.

Então como inovar essas bebidas? Com vinho branco claro! Não, essa não foi óbvia pra mim…. Mas depois que veio a ideia eu até que achei algumas receitas internet afora. A receita abaixo é uma das mais básicas. Usei os temperos mais comuns de encontrar e de as pessoas gostarem. Agora, não gosta de canela? Não coloca canela ué. Ama pimenta-rosa? Eu colocaria porque acho que combina bem com os outros ingredientes. E por aí vai.

E tem dicas especiais? Tem 2 dessa vez! Primeira: eu usei raspas de laranja mas como queria um drink limpo tive que coar antes de servir. Quer evitar o trabalho? Use pedaços de casca de laranja. Acha as raspas bonitinhas? Não coa. Segunda: a quantidade de açúcar vai depender do vinho. Eu uso uma regra geral, que pode ser adaptada provando a bebida antes de servir, e que é:
O rótulo diz doce ou suave? Use 1/4 de xícara de açúcar pra cada 2 xícaras de água
O rótulo diz seco ou similar ou nada? Use 1/2 xícara de açúcar pra cada 2 xícaras de água.

Vinho Quente Aromático

2 xícaras de água
1/4 – 1/2 xícara de açúcar*
1 pau de canela
1 anis estrelado
1 colher sopa de raspas de laranja*
2 xícaras de vinho branco

* detalhes dos ingredientes no texto acima

Misture a água, o açúcar e as especiarias e leve ao fogo baixo, deixando ferver por 2 minutos. Desligue o fogo e acrescente o vinho. Coe, ou não, e sirva imediatamente, com uma fatia de laranja em cada caneca.

Salvar

Salvar

Salvar