Cozinha de Fim de Semana: 30/01/15

Então resolvi fazer um tipo novo de post, me informem se vocês gostam ou se preferem mais receitas tá bem?
Essa ideia de resumão da semana veio lá do Brown Eyed Baker e, apesar de o Cozinha não ser tãão pessoal, achei que valia a pena fechar cada semana juntando todas as informações num post só. Inclusive pra quem quer apresentar o Cozinha pra turma esse post é uma ótima ideia viu…rs

A semana do Cozinha

bolo devils cake cozinharoman tw2Essa semana começou com um bolo de chocolate que normalmente é apresentado todo confeitado mas que fica uma delícia quando simples: o Devil’s Cake.

picole de biscoito cozinharoman twAinda no clima do Especial #cozinhadeverao também teve uma massa base pra fazer sorvete (sem sorveteira!) e que ainda virou picolé de biscoito.

limonada de abacaxi cozinharoman fbE pra fechar a semana, essa sexta foi dia de limonada diferentona batida junto com suco de abacaxi. No post tem dicas pra evitar a acidez excessiva.

Top 3 da semana
Os post mais acessados durante essa semana foram:

rosquinha sal amoniacoRosquinhas de Sal Amoníaco (receita da tia!)

pave sonho de valsaPavê de Sonho de Valsa (início de 2015 gente…)

pao1Pão de Abóbora (Experimenta que é bom demais!!)

Top 3 “deu vontade”
As receitas que mais me deram vontade de fazer essa semana
(fotos todas retiradas dos posts originais)

Lariquinha gastrolandiaLariquinha: Sobremesa do tipo moleza rápida mas que parece ser uma delícia! Veio lá do Gastrolândia.

chess pieChess-Pie de maracujá com limão: as tortas do A Cozinha Coletiva são a coisa mais linda do mundo, vale a pena!

chocolate-raspberry-mousse-cake-2Bolo-Mousse de morango com framboesa: tô só esperando uma ocasião especial pra experimentar!

Top 3 fora da cozinha
Os links que mais me chamaram a atenção fora do tema “receita”

barbieBarbie com vários tipos de corpos, tons de pele, cabelo… tava demorando! A dica vem lá do Indiretas do Bem. Tem muita gente falando que é só pra vender mais, mas eu acho que qualquer pequeno passo é melhor que ficar parado.

caixa-de-areia-para-criança2Não tem criança aqui em casa mas achei essa caixa de areia que fecha (!!!) uma ótima ideia. Vi lá no A casa que minha vó queria, onde tem mais um monte de coisa linda.

the presentUma das tirinhas mais emocionantes do Koala virou curta e, depois de ganhar um caldeirão de prêmios, finalmente tá liberado pra gente ver!

Ideias que não viraram post

semanaAproveitei o calorão e me fartei de picolés caseiros! Duas ideias boas mas que de tão simples acabaram não virando post são: Graviola com leite (e um pingo de açúcar) e manga com maracujá (sem açúcar de tão doce que a manga tava).

É isso gente, boa semana pra todo mundo! Segunda já tem receita nova!

—————————–
Em 2015: Mojitos a la Roman!

Limonada de abacaxi

O drink de hoje é na verdade um suco, sem bebidas alcoólicas, daqueles bons de acompanhar o almoço, ou matar o calor no meio da tarde.

A combinação de limão com abacaxi pode parecer forte num primeiro momento, mas como o limão siciliano é mais suave fica tudo bem. Por isso mesmo até rola de fazer com outros limões, mas vá com certos cuidados. Adicionar o suco de limão aos poucos e ter certeza de que o abacaxi é o de massa amarela são precauções que ajudam a não machucar o estômago de ninguém.
O açúcar também é opcional e pode variar. O mascavo é mais saudável mas o sabor vai interferir bastante. O mesmo acontece com o mel, embora eu acredite que ele tenha mais chance de dar certo.
Uma última dica, o liquidificador entra na receita porque em momento algum eu cogitei usar suco pronto. Realmente prefiro o trabalho de descascar o abacaxi  e ter um suco fresquinho, e já que vou ter que liquidificar a fruta, bato tudo junto. Se rolar de você já ter o suco batido em casa, vale só misturar tudo na jarra mesmo e pronto.

Limonada de abacaxi – original aqui

1 1/2 xícara de suco de limão siciliano
4 colheres sopa de açúcar
5 xícaras de água gelada
1 xícara de suco de abacaxi

É só bater tudo junto no liquidificador e acertar o açúcar antes de servir.

—————————————-
Em 2015: Pão Pita

Salvar

Picolé de biscoito e base de sorvete

E tem duas receitas em uma hoje! Uma base pra sorvete pra saborizar do jeito que quiser e ainda uma transformação em picolé de biscoito!

Tá, a verdade é que a receita era tão besta que eu tentei mostrar dois jeitos diferentes de usar esses ingredientes pra isso aqui não virar um drops. Mas ao mesmo tempo o resultado é tão gostoso que dá vontade de beber ainda líquido mesmo…
Como o próprio nome diz, é uma mistura bem básica o que é ótimo na hora de saborizar. Afim de sorvete de chocolate? É só acrescentar chocolate em pó e bater no liquidificador antes de congelar. Flocos? Acrescenta mini gotas de chocolate e pronto. Fora que dá pra usar xaropes, como o de maracujá, ou bater a própria fruta junto com tudo.
Minha próxima experiência é trocar o leite comum por leite de coco…
Então vão lá, inventem a vontade, e compartilhem! Mostrem pro coleguinha, distribuam pros vizinhos, levem na festa da firma! E mostrem pra mim também… 😉

Base pra sorvete

1 lata de leite condensado
1 lata de creme de leite sem soro
200ml de leite

É só misturar tudo, no liquidificador ou com um fouet ou como você achar melhor. Depois que estiver homogêneo leve ao congelador por algumas horas até firmar completamente.
Não fica completamente empedrado, mas se quiser mais cremosidade é só processar rapidamente ainda congelado.

Picolé de biscoitos

O quanto você quiser da base para sorvete
Biscoitos recheados – eu usei a proporção de um pra cada 100ml de base

Triture os biscoitos do jeito que preferir, eu coloquei em um pano de cozinha e dei umas marteladas com o martelo de carne. Misture na base de sorvete e transfira para as forminhas de picolé.
Se for usar os palitinho da própria forminha coloque-os antes de levar ao congelador. Se for usar palitinhos avulsos (como os meus) leve ao congelador por cerca de 2h antes de colocar os palitinhos, vai ficar mais fácil mantê-los no lugar.
Antes de servir coloque um pouco de biscoito triturado por cima de cada picolé.

———————————
Em 2015 – Pão de Queijo Puf

Salvar

Devil’s cake, bolo de chocolate ultra úmido

Eu sei que esse é um especial de verão, e que bolo de chocolate não é exatamente característico dessa época. Mas o bolo é tão bom, tão bom, que não aguentei esperar pra publicar. E claro, você sempre pode servir com uma bola de sorvete e pronto! 😉

Diz a lenda que o nome devil’s (diabo) é por conta de esse bolo parecer o contrário do angel’s (anjo) cake. Enquanto o angel é um bolo branco, bem branco, que leva apenas claras, o devil’s é um bolo extremamente escuro por conta do cacau em contato com o ácido do buttermilk. Ele também é meio parente do red velvet. E como ambos são receitas antigas de família, é possível achar meio termos entre os dois, ou ainda a mesma receita com ambos os nomes em diferentes locais.

O mais importante é: esse é um bolo de chocolate, bem escuro, mega fofo, ultra úmido. Ele é ótimo pra rechear por não ser muito doce, e normalmente é servido com recheio e cobertura. Mas também fica ótimo assim, só com um pouco e chocolate em pó polvilhado por cima, ótimo pra acompanhar uma xícara de café!

A receita veio do MdeMulher (que raios de nome é esse gnt?!) e achei em pesquisas aleatórias no google, creio eu. Apesar dessa origem meio por acaso, acabei não fazendo nenhuma grande alteração na receita. A original fala em buttermilk mas o próprio site sugere o leite com limão, que é minha saída habitual pra substituir o ingrediente gringo. E enquanto a receita fala em cacau em pó eu usei chocolate em pó.

(Já estamos todos familiarizados com a minha dificuldade em conseguir cacau em pó? Pra quem chegou hoje: esse ingrediente não existe por aqui! Então uso chocolate 50% cacau e adapto as quantidades de chocolate e de açúcar pra ajustar tudo.)

Antes de começar a receita só mais uma coisa: parece ser uma receita muito grande, mas é só tamanho mesmo. São vários passos, mas são passos bem simples e no fim das contas acaba sendo uma receita bem simples.

Devil’s Cake – original aqui

2 xícaras de farinha de trigo
1 colher chá de bicarbonato de sódio
1/4 colher chá de sal
1 xícara de chocolate em pó 50%
1 xícara de água morna
1/2 xícara de leite
1/2 colher sopa de limão
1/2 colher sopa de baunilha
1/2 xícara de açúcar refinado
3/4 xícara de açúcar mascavo
110g de manteiga sem sal – temperatura ambiente
2 ovos
1/4 xícara de chocolate em gotas – usei meio amargo

Misture o leite com o limão e a  baunilha e deixe descansando por 20min.
Enquanto isso peneire em uma vasilha: a farinha, o bicarbonato e o sal e reserve.
Em outra vasilha dissolva o chocolate em pó na água quente e reserve também.
Bata a manteiga com os açúcares até formar um creme fofo. Acrescente os ovos, um de cada vez. Quando estiver uma mistura homogênea acrescente a mistura de chocolate com água e bata até incorporar completamente.

Reduza a velocidade da batedeira (ou do seu braço) e acrescente metade da mistura de farinha. Depois que toda a farinha tiver sido incorporada junte a mistura de leite, só então junte o restante da farinha. Sem bater adicione as gotas de chocolate e misture delicadamente. Leve ao forno a 180°, em uma forma com papel manteiga ou untada, por cerca de 40min.

Salvar

Sorbet e drink de melancia – Drops

Essa sexta tem drops e drink dos mais fáceis: sorbet de melancia, moleza de fazer, e depois um drink pra feito com o próprio!

O sorbet de melancia segue o mesmo esquema do de kiwi que foi postado semana passada. Só que dessa vez não segui medidas, só meu paladar mesmo.

Encha o copo do liquidificador com pedaços de melancia, sem o caroço por favor. E bata até conseguir um suco, só coloque água de precisar. Adoce a gosto e manda pro congelador. Como a melancia tem muita água, vai ficar bem cristalizado, quase uma raspadinha. Então se você não ficar feliz com a raspadinha é só congelar-processar-congelar umas 3-4 vezes pra conseguir uma consistência mais cremosa. Foi o que eu fiz e bem valeu a pena.

Só assim eu já fiquei feliz e o pote foi quase todo embora. Mas pra fazer uma gracinha vai aqui o drink mais fácil do mundo. Numa taça coloque algumas bolas do sorbet e cubra com vodka, depois é só servir com um mexedor pra cada um misturar conforme a vontade. Pra cada taça dessas da foto eu usei 3 bolas de sorbet e 1 1/2 dose de vodka.
Quem quiser um drink mais homogêneo também pode bater  sorbet com a vodka e servir em seguida. 😉

———————————–
Em 2015: Beterraba facinha

Salvar

Pudim de Milho Verde

É realmente necessário achar um novo jeito de fotografar pudins aqui em casa. Junta o fato de que eles tem todos a mesma cara e de que tem o prato oficial de pudim e as fotos são idênticas. Mas ó, esse é um pudim de milho verde, e é uma delícia!

A receita é basicamente um pudim de leite, com a adição de milho. E pode acreditar, isso faz toda a diferença. É praticamente um curau com textura de pudim, o sabor do milho sendo bem presente mas bem docinho também. Eu tentei fazer um pudim com furinhos, a pedidos, batendo a massa logo antes de transferir para a forma. Mas não deu certo, esse pudim não tem furinhos mesmo, então quem não gosta não precisa se preocupar.
Eu não costumo sentir o famigerado gosto de ovos, mesmo em receitas que tem eles como base, então não tomei nenhum cuidado quanto a isso. Mas se você costuma sentir sempre é bom lembrar de passar as gemas por uma peneira para retirar aquela pele que fica em volta delas. Afinal o objetivo aqui é o gosto do milho e não do ovo.

Outro cuidado importante é lavar bem o milho pra tirar o gosto e o cheiro da conserva. Eu prefiro o de lata pela praticidade, e pelo fato de que a água da conserva não é usada. Mas se ainda assim você quiser evitar enlatados, basta substituir por 200g de grãos milho, congelado ou fresco.

Mais uma coisa: eu mudei o caramelo da forma um pouquinho, apenas para ficar mais claro e pra não formar muita calda. Eu imaginei que o pudim fosse ficar mais amarelinho e não queria que a calda atrapalhasse visualmente. Isso é bem pessoal então o tom do caramelo e a quantidade de calda vão de acordo com o seu gosto.

Por último, eu não faço ideia de onde veio essa receita, então não custa lembrar: se você criou, publicou antes, ou sabe de onde vem esse pudim, por favor entre em contato para que eu possa dar os devidos créditos!

Pudim de Milho Verde

1 lata de milho
1 lata de leite condensado
250ml de leite
4 ovos
2 colheres sopa de açúcar refinado
5 colheres de água
5 colheres de açúcar cristal

A primeira coisa a fazer é lavar o milho, pra tirar aquele gosto de conserva. Escorra o conteúdo da latinha em uma peneira e lave bem sob água corrente. Deixe os grãos na peneira, escorrendo o excesso de água, até a hora de usar.

Leve o açúcar cristal ao fogo até que comece a ficar dourado, acrescente a água e espere até a calda atingir o ponto fio. É quando você pega um pouco com a colher e ao deixar escorrer a última gota ela forma um fio ainda conectado à colher. Espalhe essa calda por toda a forma do pudim e reserve.

Bata o milho lavado com o leite no liquidificador até não sobrar nenhum pedaço, apenas bagaço batido. Passe essa mistura pela peneira para conseguir apenas um líquido liso, sem nenhum bagaço.

Limpe o liquidificador e volte o “suco” de milho pra ele, acrescente os demais ingredientes e bata até ficar homogêneo. Transfira essa mistura para a forma caramelizada e cubra com papel alumínio. Leve ao forno em banho-maria, lembrando que o forno deve estar já aquecido a 180° e a água do banho-maria deve estar quente, mas não precisa ser fervendo. Depois de cerca de 1h o pudim deve estar pronto, ele ainda vai balançar quando você mexer a forma mas claramente não vai estar líquido. Retire do forno e leve a geladeira por algumas horas, de preferência uma noite. Desenforme apenas quando estiver gelado.

——————————–
Em 2015: Falsa Cheesecake

Salvar

Picolé de Manga com coco

Semana passada começou com sorbet, então nada mais justo que essa começar com picolés! E se combinar duas delícias com cara de verão tropical melhor ainda!

Tá certo que picolé pode ser só colocar suco de fruta numa forminha e esperar congelar, mas né, também dá pra incrementar um pouco! É o caso desse, no lugar de um picolé simples de manga a gente ganha uma combinação de dois sabores e um toque inusitado de tempero. É que o creme de coco leva sementes de cardamomo no preparo. Não gosta de cardamomo (pq não?) ou não tá fácil achar por aí? Sem problema, dá pra fazer sem também, leite de coco sem tempero já é uma delícia! Quer trocar por outra coisa? Inventa a vontade! Só não esquece de vir me contar depois!

Eu mesma inventei um pouco, afinal essa receita é adaptada de uma já existente. A original veio do A Cozy Kitchen, site gringo pois é, e eu acabei mudando uma coisinha ou outra. Agora é pegar essa base e inventar!

Picolés de Manga com Coco – original aqui

1 manga grande – cerca de 450g ainda com o caroço
2 colheres sopa de açúcar
1 colher sopa de limão
1 colher sopa de água – caso precise

1/2 xícara de leite de coco
2 colheres sopa de açúcar
1 baga de cardamomo – opcional

Primeiro faça um purê de manga. No liquidificador bata a manga com o açúcar e o limão. Caso necessário acrescente a água para ajudar a bater. Preencha 1/3 das forminhas para picolé com o purê e reserve o restante na geladeira. Leve as forminhas ao congelador por cerca de 20min.

Enquanto isso prepare o creme de coco. Se for usar o cardamomo abra a baga e retire as sementes. Em um pilão ou em uma tábua com a lâmina de uma faca deitada esmigalhe as sementes. Misture-as com o açúcar e o leite de coco e deixe na geladeira até a hora de usar.

Passados os 20minutos coloque os palitos em cada picolé, o purê já deve estar firme o bastante para segura-los. Transfira o creme de coco para as forminhas sem preenche-las completamente. Então complete o restante o purê de manga. Como ambos estão líquidos a aparência final será marmorizada. Volte ao congelador até endurecer completamente.

Salvar

Doce Spritz

Primeiro Drink do ano! Tinha que ser algo refrescante e com cara de verão: gelo picado, limão, vinho branco… pra mim fez todo o sentido!

Eu tenho certas esquisitices quanto a comida, dentre elas a de que vinho tinto lembra inverno e vinho branco lembra verão. Vinho branco frisante então, é uma tarde ensolarada de alto verão! Daí fui atrás de um drink pra aproveitar a garrafa de frisante que tava na geladeira, e achei essa mistura de limão, mel e vinho branco.

Como sempre, foram necessárias algumas mudanças, algumas simples e outras que interferem muito no resultado final. O tipo de limão foi uma dessas: a original usa limão siciliano, eu usei taiti porque era o mais fácil de ter em casa. Já a mudança de vinho transforma completamente o resultado.

O drink original leva um Moscato específico que tá no link. Eu usei o frisante que eu já conhecia, gostava e já tava na geladeira. E você usa o vinho branco que você preferir, embora minha sugestão seja sempre usar um frisante. Afinal, é por conta do frisante que ele leva o nome de Spritz, bebida que tradicionalmente era uma mistura de água com gás e vinho.

Ainda nos diferentes tipos de vinhos, o quão seco ou não o vinho for vai interferir no quão doce o drink vai ficar. Então entenda a medida de mel mais como uma sugestão, sempre vale a pena provar antes pra ver se não precisa de mais.

Doce Spritz – original aqui
serve 2 taças

3 colheres sopa de mel
1 1/2 colher sopa de água quente
1 colher sopa de limão
250ml de vinho branco frisante
gelo picado a vontade
fatias de limão pra guarnecer

Dissolva o mel na água quente e junte o suco de limão. Divida essa mistura entre as duas taças. Junte metade do vinho em cada taça e complete com gelo picado.
Enfeite com uma, ou meia, fatia de limão e sirva em seguida.

——————————-
Em 2015: Salada de abacate, espinafre e ovo

Salvar

Bolo Gelado de Coco

Não dá pra ficar sem bolo, se isso não é uma verdade universal pelo menos é um objetivo que eu planejo alcançar. E pro verão nada melhor que bolo gelado! E de bolo gelado o meu favorito é o de coco!

Quem aí lembrou de festa de aniversário + bolo falso de isopor + pedaços de bolo gelado de coco embrulhados em papel alumínio escondidos dentro do bolo falso, favor deixar um oi nos comentários… 😉

Eu adoraria dizer que essa receita era a que alguém da família fazia quando eu era pequena e que o sabor é o mesmo de quando eu tinha 5 anos e qualquer coisa bonitinha assim…. Não rolou por motivos de:
1 – o bolo da minha infância é o bolo prestígio da minha mãe e não bolo de coco (foi mal)
2 – quem disse que eu acho receita desse bolo gelado em cadernos da família?

Assim, a receita de hoje veio do site da Casa e Jardim e não me arrependo, já que o bolo ficou muito bom! Ultra molhado, quase que um pudim, e docinho na medida. Até comigo errando a receita o trem ficou gostoso. É que eu meio que esqueci de jogar o coco em cima do bolo, e só fui lembrar algumas horas depois…

Mas tudo bem, hidratando o coco antes essa cabeça distraída não atrapalha tanto o resultado final. Tirando esse deslize, as maiores mudanças nessa versão são o fato de ser apenas meia receita, e com isso algumas equivalências mudaram ligeiramente, a ideia de hidratar o coco ralado antes de usar, e as 8 horas de geladeira antes de dormir. Quanto a isso não adianta, pra mim bolo bom é bolo dormido. Esse tempão na geladeira vai garantir que o bolo absorva toda a calda e fique com a consistência de pudim.

Ah sim, não embrulhei no papel alumínio mas foi por metade preguiça metade consciência ecológica. Pra quem também não quiser embrulhar é só manter o tabuleiro coberto, com o próprio papel alumínio mesmo.

Bolo Gelado de Coco – original aqui

2 ovos jumbo
1 xícara de açúcar refinado
320ml de leite
3/4 xícara de farinha de trigo
1 colher chá de fermento
100g de coco ralado
160ml leite condensado – meia lata
100ml leite de coco

Hidrate o coco colocando de molho em água filtrada ou leite e reserve.
Bata as claras em neve, até atingir o ponto de picos moles. Ainda batendo vá acrescentando todo o açúcar aos poucos.

Diminua um pouco a velocidade da batedeira (ou do seu braço) e acrescente as gemas, uma de cada vez, e 120ml de leite. Com uma espátula misture delicadamente e farinha e o fermento até incorporar completamente a mistura. Leve ao forno, já aquecido a 180°, em uma forma untada e enfarinhada, até dourar.

Enquanto o bolo assa faça a calda: misture os 200ml restantes de leite com o leite de coco e o leite condensado e reserve. Assim que o bolo sair do forno regue com a calda reservada. Não precisa furar o bolo nem nada, parece que vai ser muita calda mas é isso mesmo.

Cubra o bolo com coco hidratado. Lembre de, antes disso, escorrer qualquer excesso do líquido usado para hidratar o coco. Cubra com papel alumínio e deixe dormir uma noite (umas 8h) na geladeira antes de servir. Você pode servir inteiro ou cortado em pedaços e enrolado em papel alumínio igual “antigamente”. 😉

Salvar

Sorbet de Kiwi

E começou o ano! (e eu tirei uma semaninha a mais de férias pra recarregar….) E pra começar bem, enfrentando o calor do qual eu reclamo tanto, vamos de Sorbet de Kiwi!

Sorbet é meio que um primo, ou um irmão mais velho, do sorvete que não leva leite ou creme. Por isso mesmo o sorbet é, além de mais leve e menos calórico, uma opção pra quem tá dispensando a lactose da vida.

(não é o meu caso, mas eu adoro uma novidade…)

Basicamente é fruta batida e congelada, um pouco de água ou suco pra ajudar a transformar a fruta em purê, talvez um pouco de limão pra não escurecer. E claro, açúcar. O açúcar, tecnicamente, é pra ajudar a diminuir a formação de cristais de gelo. Assim o sorbet fica mais cremoso e parecendo menos com uma raspadinha.
Pra mim o açúcar é importantíssimo porque ele adoça…rs

Fiz questão de dizer fruta (sem especificar) porque dá pra inventar com o que quiser. O resultado no entanto vai variar bastante dependendo da fruta escolhida. Um sorbet de manga vai ser bem mais cremoso e denso que um sorbet de limão, por exemplo.

O de hoje veio de um site gringo e me encantou porque foi a primeira vez que tive vontade de fazer uma receita com kiwi! E que sorte, pois ficou uma delícia. Cremoso sim, por mais que eu não acreditasse que fosse ficar; e ainda por cima mega refrescante! Mudei um pouquinho as quantidades, e isso é tranquilo pois essa é uma receita bem livre. Por isso, prove o purê antes de adoçar pra ver se vai precisar usar todo o “xarope” de açúcar, e se for o caso, vale adoçar um pouco mais depois também. Só dê preferência para o refinado por ser mais fácil de dissolver.

Sorbet de Kiwi – original aqui

10 kiwis
3/4 xícara de açúcar
1/4 xícara de água
2 colheres sopa de limão

Misture o açúcar com o a água e leve ao fogo baixo apenas até dissolver o açúcar. Retire do fogo e espere esfriar.
Descasque e pique os kiwis e junte com a calda de açúcar e o limão em um processador com lâmina e bata até ficar uma mistura homogênea.

(Pra quem não tem processador, dá pra fazer no liquidificador também, mas provavelmente as sementes não ficarão inteiras. É uma pena visualmente, mas não interfere muito no sabor.)

Leve esse “suco” para o congelador por cerca de 1h, não precisa congelar totalmente nessa primeira parte. E então volte tudo para o processador e bata novamente até ficar homogêneo. Volte ao congelador por mais 3h. E então processe novamente. E finalmente volte ao congelador por 8-12h. Todo esse vai e volta é para que o processador quebre os cristais de gelo que vão se formando e assim o sorbet fique mais cremoso. Quanto mais repetir o congela-processa menos cristalizado o resultado final. Portanto se achar muito parecido com uma raspadinha é só processar de novo e congelar depois.
E dependendo da temperatura do local vale deixar fora do congelador uns 30min antes de servir.

Salvar