Torta Ratatouille, pra um inverno vegetariano

Torta ratatouille, ou basicamente um ratatouille metido a besta sobre uma massa crocante.
torta ratatouille

É aquele mesmo do filme do ratinho, sabe? O Ratatouille, além de nome de filme, é um prato típico francês com legumes (berinjela sendo essencial) levados ao forno e/ou cozidos. Depois da animação ficou na moda cortar o legumes em rodelas e enfileirar em carreiras ao longo de um pirex, formando um desenho bem hipnótico. O que fiz aqui foi foi uma mudança na apresentação mas mantendo a base.

Meus legumes ainda são fatiados, mas de comprido. E em vez de enfileirados foram enrolados, formando uma florzona. Pirex? Ele virou uma massa crocante, muito da gostosa, mas bem básica pra não roubar o protagonismo dos legumes. Aliás, se você tem uma massa favorita que acha que vai combinar, vai fundo. Ela só não pode inflar muito pra não desmontar o desenho.

A mesma massa, com adaptações, pode servir pra recheios muito doces

torta ratatouille

Torta Ratatouille

Massa:
3 xícaras de farinha de trigo
100g de manteiga sem sal gelada
1 ovo
1/2 colher chá de sal
1 pitada de pimenta do reino
cerca de 10 colheres sopa de água gelada – bem gelada

Recheio:
1/2 xícara de molho de tomate – usei uma passata
1 abobrinha grandona
1 berinjela grandona
1 tomate
sal a gosto

Comece cortando a berinjela em fatias bem finas; coloque em uma vasilha com água e sal e deixe de molho por cerca de 1h. Enquanto isso prepare a massa:
Misture a farinha com o sal e a pimenta; junte a manteiga em cubinhos e vá esfarelando a manteiga até ficar mais ou menos uma areia grossa. Junte o ovo e comece a juntar a massa. Vá adicionando a água e amassando apenas o suficiente para juntar a massa em uma forma coesa. Pode ser que você precise de mais ou de menos água. Massa lisa e coesa deixe gelar por 30min, coberta por filme plástico. Enquanto isso fatie a abobrinha e o tomate.

Abra a massa e forre uma forma de torta com cerca de 24cm. No meu caso a massa ficou mais grossinha, por motivos de família gosta assim. Você pode usar uma forma maior e fazer uma massa mais fina. Espalhe o molho de tomate no fundo da torta e comece a fazer uma rosa enrolando abobrinha e berinjela (no vídeo dá pra entender melhor). Finalize com as fatias de tomate e sal a gosto. Cubra com papel alumínio e leve ao forno por 30min, retire o papel e deixe no forno mais uns 20min, até que a massa doure. Sirva quentinha.

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Pizza Sourdough – massas de fermento vivo

Pizza Sourdough de muçarela é só um pizza de queijo, feita com massa caseira. Com fermento natural. Mais fácil do que tá parecendo….
pizza sourdough

Eu descobri, meio que tarde demais, que a massa de pizza sourdough é uma das receitas mais fáceis de fazer com o levain. E por isso mesmo ideal pra quem tá começando a mexer com fermentação natural. Ao contrário do pão, que esperamos que cresça lindamente formando alvéolos incríveis, a massa de pizza não tem que inflar. Na verdade a gente não quer que ela infle de jeito nenhum!

Tudo que precisa é tempo, o fermento vivo é meio lentinho, e vontade de comer pizza. Sério. Dá pra fazer em pedras próprias e dá pra fazer em formas de alumínio como a da foto. Na verdade o primeiro teste da receita foi feito em uma assadeira retangular, também de alumínio, que deve ter a minha idade… E deu tudo certo. O forno precisa atingir o mínimo de 230C, mas isso a maioria dos fornos caseiros consegue sem esforço. E é só isso mesmo. O recheio pode variar, a espessura da massa pode variar… tá tranquilo.

O resultado pode ser uma massa fininha e crocante ou mais gordinha e macia, isso só vai depender da quantidade de massa que você usar. Os ingredientes abaixo são o suficiente para uma pizza de 35cm de massa fina. Então é só aumentar ou diminuir conforme o seu gosto.
pizza sourdough

Pizza Sourdough – original aqui

1/2 xícara de fermento natural
1/2 xícara de água
1 1/2 xícara de farinha de trigo
1 colher chá de sal

Misture o fermento com a água e meia xícara de farinha e deixe descansar em uma vasilha tampada por 12 horas.
Junte o restante da farinha e amasse até que incorpore totalmente na massa. Deixe descansar mais 30minutos.
Finalmente junte o sal e sove a massa até que fique coesa. Deixe descansando até que dobre de tamanho. Nesse ponto a massa já está pronta para ir ao forno. Se você só quiser fazer sua pizza mais tarde pode deixa-la na geladeira (na vasilha tampada) por umas 2-3h.
Dependendo da forma/pedra usada você pode não precisar untar, na dúvida unte com óleo. Estique a massa com as pontas dos dedos até cobrir o fundo da forma. Deixe descansando mais uns 30min, para garantir que a massa não vai encolher. Recheie como preferir (usei molho de tomate, muçarela e orégano, só) e asse em forno aquecido a 230C.

pizza sourdough

——————————
Em 2015: Chocolate quente básico

Salvar

Salvar

Salvar

Gnudi simples, ou nhoque de ricota

Gnudi, quem conhece? Gnudi é uma corruptela de nudi, nu em italiano, porque esse prato pode ser considerado um ravióli pelado. Ou seja, apenas o recheio, nu, sem a cobertura da massa. Ele também pode ser chamado de nhoque de ricota por motivos de tudo quanto é bolinha cozida = nhoque.
Gnudi de ricota com molho de tomate

A maioria das receitas de Gnudi que encontrei são de ricota com espinafre, e eu imagino que seja uma combinação muito boa. Só que eu não tinha espinafre à mão, e achei essa sem espinafre. E fica muito bom também viu! Então pra quem não é fã de espinafre, fique a vontade que dá pra fazer sem. Também dá pra colocar outras ervas, como cebolinha ou manjericão para dar mais um camada de sabor.

O bom da comida salgada é que dá pra inventar na hora dos temperos!

E nessa de inventar eu acabo modificando um pouco a receita né? Mas essa nem precisou muito. Eu tive que acrescentar sal, talvez porque o meu parmesão não fosse tão salgado. E é sempre bom lembrar: quando cozinhando com queijos salgados, como o parmesão, coloque o sal apenas depois do queijo e prove antes.

E também não precisei drenar a ricota. A receita original pede que a ricota seja drenada por um bom tempo, mas a minha não soltou nenhuma gota de soro. Acho que isso vai depender do tipo de ricota usada. O nome do queijo pode ser o mesmo, mas o país de origem influencia muito; e aqui no Brasil as ricotas costumam ser mais secas mesmo.
Se quando amassar a sua começar a soltar muito líquido, transfira para o escorredor de macarrão e deixe na geladeira, com um prato embaixo, por cerca de 30min. E daí siga com a receita normalmente.

Por último: o molho! Eu usei molho de tomate caseiro, mas você também pode servir com manteiga e sálvia, como sugerido no original, ou o molho que preferir. Até sem molho, e aí vira um ótimo petisco.

Gnudi Simples – original aqui

350g de ricota
25g parmesão ralado
1 gema
noz moscada a vontade
sal a vontade
farinha de trigo suficiente para empanar

Amasse a ricota o mais fino que conseguir, se preferir passe pelo processador. Misture a ricota com o parmesão, a gema e a noz moscada. Quando a mistura estiver homogênea prove e acerte o sal. Leve a massa para a geladeira por pelo menos 30min, para ficar mais fácil modelar.
Faça bolinhas com a massa e passe cada uma em farinha de trigo. Transfira cada bolinha para uma assadeira/travessa enfarinhada, cubra com papel manteiga e leve para a geladeira por 24h.
Na hora de servir é só passar cada um por água fervente. Depois que boiarem conte uns 30segundos (não precisa ser exato, é só dar um tempinho) e retire. Sirva com molho de tomate e ervas ou o da sua preferência.

———————————
Em 2015: Vitamina de morango com coco

 

Salvar

Salvar

Salvar

Pesto, de patê a molho e mais variações

Pesto é um molho italiano feito, normalmente, com folhas de erva aromática (usualmente manjericão), castanha (tradicionalmente pinoli), queijo (italianamente pecorino) e temperos.
pesto em patê e biscoitos

Como adoramos fazer aqui no Brasil, essa receita já foi modificada inúmeras vezes e, hoje, encontramos pesto até de salsinha com nozes. Os sabores mudam drasticamente conforme mudam tanto a erva, quanto o queijo, quanto a castanha; e também os temperos claro. Mas acho que ficar discutindo se isso ou aquilo é ou não pesto dá na mesma que discutir se brigadeiro de capim-limão é brigadeiro ou não. A receita ficou gostosa? Cumpriu o dever de alimentar e deixar feliz? Então pronto né?

Por aqui o pesto manteve o manjericão italiano, trocou ligeiramente o queijo pra parmesão e abrasileirou completamente com a castanha de caju. E também mudei um pouco a textura. Normalmente o pesto é feito mais mole, como um molho, bom pra comer com macarrão. Eu fiz bem mais firme, na consistência de um patê, que era justamente o uso que eu tinha em mente no dia.

Também dá pra fazer uma textura meio termo e usar como recheio de pão trançado. 😉

Quer usar essa receita mas como molho? Sem problema! Adicione um pouco mais de azeite, e se quiser limão, até atingir a consistência preferida e pronto. O mesmo vale pra quem quiser trocar o queijo… Ou a castanha… Ou acrescentar uma salsinha..
Enfim como sempre por aqui: a base tá aí, agora é ó deixar sua imaginação comandar!

Pesto

3/4 xícara de parmesão ralado
1 xícara de manjericão*
3 colheres sopa de azeite
1 colher chá de sal
4 colheres sopa de castanha de caju picada
1 colher sopa de suco de limão

*Para medir o manjericão aperte bem as folhas na xícara

É só bater tudo no liquidificador; se achar que ficou muito firme acrescente um fio de azeite aos poucos.
Para um pesto rústico pique tudo com uma faca bem afiada até o tamanho desejado.

——————————-
Em 2016: Bicho de pé (aquele docinho de gelatina, sabe?)

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Nhoque de Beterraba, nhoque da fortuna pro verão

Sim, nhoque de beterraba, e sim, deu certo! Eu já tinha visto nhoques de outros sabores além do tradicional de batata, mas confesso que a beterraba me gerou muitas dúvidas. É que eu não consigo visualizar a beterraba gerando um purê com liga. E isso é porque não dá mesmo. É aí que entra a batata da receita.
nhoque de beterraba

Dupla perfeita tá: a batata dá a liga necessária pra formar a massa, e a beterraba entra com sabor e cor. Além delas, a receita segue mais ou menos a de um nhoque tradicional: ovo, farinha e tempero. E, como em qualquer nhoque, é bom ficar de olho na quantidade de farinha. Melhor deixar a massa meio molenga e modelar na colherada, como eu fiz, do que acabar com um nhoque de beterraba mas com sabor de farinha.

Agora, enquanto o nhoque tradicional é cozido num panelão cheio de água salgada, esse é frito na frigideira com manteiga e azeite. A original da Sweet Paul Magazine é com manteiga noisette e sálvia. Não tenho as intimidades com manteiga noisette e não tenho sálvia*. Isso não é motivo pra não fazer a receita, não é mesmo?

Aqui o nhoque foi frito numa mistura de azeite com manteiga e servido sequinho num dia muito quente. Você também pode servir com o molho que quiser. Ou cozinhar os nhoques em água fervente. Ou cozinhar/fritar e então congelar. Agora que você já tem tantas opções escolha a sua favorita e bora pra cozinha!

*Sabe quando você compra o pacote de sementes de sálvia e no lugar nasce espinafre? Pois é, eu sei…
nhoque de beterraba

Nhoque de beterraba – original aqui

450g de batatas
225g de beterrabas
1 xícara de farinha de trigo
1/4 colher chá de sal
1 ovo pequeno
manteiga e azeite para dourar*

*também vale usar só manteiga (fica mais pesado) ou só azeite se quiser

Asse as batatas e as beterrabas inteiras e com casca até que fiquem macias. Processe as duas juntas e depois amasse com um garfo até dar liga. Deixe resfriando na geladeira por pelo menos uns 40min, isso vai ajudar a massa a ficar mais firme.
Junte o sal e o ovo e misture até ficar homogêneo. Então vá adicionando a farinha aos poucos até formar uma massa. O ideal é colocar o mínimo de farinha possível para não atrapalhar o sabor, então essa massa fica com uma textura parecida com massa de pão de queijo, meio molenga mesmo. Se quiser modelar com as mãos igual nhoque tradicional daí é preciso mais farinha.
Esquente uma frigideira com um pouco de manteiga e azeite e, usando duas colheres, modele bolinhas de massa. Doura cada nhoque dos dois lados até que cozinhe.
Você pode servir sequinho ou com o molho da sua preferência.

Também dá pra cozinhar, como faz com o tradicional: esquente uma panela com água e sal e modele os nhoques da mesma forma. Delicadamente coloque cada um na água e deixe cozinhando até que comece a boiar.

Pode congelar? PODE. Tanto o frito quanto o cozido podem ser congelados. Depois é só esquentar direto no molho, ou na frigideira se for comer sequinho.

——————————
Em 2015: Melancia shots

 

 

Salvar

Salvar

Salvar

Batata Hasselback no palito, ou tornado de batata

Hasselback é um tipo de corte feito em batatas assadas, que levam esse nome por conta do hotel em Estocolmo onde foram criadas. Para fazer uma batata hasselback é só fatia-la bem fino sem chegar até o fim. A batata fica inteira mas parecendo uma sanfona. Depois dá pra rechear ou apenas temperar antes de levar pro forno.

Batatas Hasselback ficam lindas e servem tanto pra dar um charme a mais pro almoço quanto como entradas. E elas só perdem pro “tornado de batata”. Essa é uma tradução bem porca pra potato tornado, a batata hasselback no palito.

batata-hasselback-cozinharoman-pt

Lembram das espirais de salsicha, ou cachorro quente no palito? O princípio é o mesmo, só que com batata. Dá pra fazer batatões, como eu fiz, e servir no almoço, ou mini batatas e servir como petisco, em palitinhos. O tempero também pode variar de acordo com o que será servido junto. O mais básico de todos? Sal, pimenta e orégano.

O que mais me ajudou foi o furador feito na hora, num momento de “filha, que isso que vc tá fazendo?”. Minutos depois ganhei ferramenta nova pro Cozinha. ^_^
Mas qualquer furador de gelo ou ferramenta similar serve pra ajudar a perfurar os batatões.
batata-hasselback-cozinharoman

Batata Hasselback no palito – original aqui

batatas com casca
palitos de churrasco
furador de gelo – opcional mas facilita muito
manteiga sem sal
sal e pimenta
temperos a vontade – usei orégano

Lave bem as batatas e retire quaisquer machucados e “olhos”.
Coloque a batata ainda crua no palito de churrasco, como um picolé. Se tiver o furador de gelo comece com ele, vai facilitar muito. e não tiver, é só ter paciência. Alguns palitos podem ficar úmidos e acabarem quebrando, é só começar de novo. Com prática acaba ficando mais fácil também.

Com uma faca bem afiada corte uma diagonal contínua por toda a batata, fazendo a espiral. Use o palito de churrasco como guia de até onde a faca deve ir. Quanto mais finas as fatias da espiral mais crocante a batata fica no final. Aí é só calibrar a largura de acordo com sua vontade.
Equilibre o palito sobre uma assadeira sem deixar a batata encostar no fundo da assadeira. As forma de bolo inglês são ótimas pra isso. Pincele com manteiga e tempere. E leve ao forno a 230° até que a batata doure e fique crocante.

Salvar

Molho de tomate caseiro

Molho de tomate caseiro, fácil de fazer, que é pra nunca mais comprar o enlatado!
molho de tomate caseiro cozinharoman ptPosso deduzir que todo mundo aí sabe que aquele molho de tomate da latinha não tem só tomate? Sabemos também que em alguns casos o principal ingrediente desses molhos é açúcar? E aí pra fugir dessas nhacas o jeito é escolher passatas ou tomates pelados que são basicamente tomates e um pouco de sal. O que já é uma melhora incrível! Mas e que tal fazer o próprio molho? E aí já deixar congeladinho pronto pra ser usado quando precisar, prático igual o da lata? É esse o objetivo da receita de hoje!
É extremamente simples e quem faz todo o trabalho são forno e liquidificador, e a coisa fica mais prática ainda se você fizer em grandes quantidades como eu fiz. Aqui foi uma forma grande cheia de tomates, que resultou em um copo e meio de liquidificador. Esse mundo de molho eu transformei em cubinhos congelados, e agora sempre que quiser usar em alguma receita é só pegar quantos cubinhos eu for precisar.

O que me leva a um ponto importante, principalmente pra quem for congelar: não colocar muito sal. Quando a gente faz qualquer base pra ser usada em outras receitas, como os caldos também, o ideal é colocar nenhum ou bem pouquinho sal pra não atrapalhar o resultado final. E quando alguma comida é congelada o sal fica ainda mais potente, por isso a importância de tomar um certo cuidado aí. Na hora que provar a sensação é de que tá faltando sal mesmo, não preocupem.

E pra animar todo mundo a fazer o seu, fica a dica de um jeito diferente de servir: berinjelas fritas com um molho, agora sim bem temperado, refogado com cebolas e ervas e especiarias, como acompanhamento.
molho de tomate caseiro cozinharoman pt2Molho de tomate caseiro

muitos tomates
um fio de azeite
1 punhado de orégano fresco
sal a gosto
uma pitada de açúcar se preciso

Corte os tomates em 4 partes e retire as sementes. Coloque-os em uma forma grande e regue com um fio de azeite. Acrescente o sal e o orégano, se for usar, e misture tudo bem. Leve ao forno baixo por cerca de 1hora até que os tomates assem.
molho de tomate caseiro cozinharomanBata tudo no liquidificador e prove. Se estiver muito ácido acrescente um pouco de açúcar só pra neutralizar. Não acrescente muito sal, principalmente se for congelar.
Se o molho tiver ficado muito líquido leve ao fogo baixo, em uma panela destampada, até engrossar um pouco. Se já estiver com a textura desejada é só colocar em uma vasilha de vidro e guardar na geladeira por até 4 dias. Ou congelar, em formas de gelo ou potes maiores.

Salvar

Salvar

Salvar

Caldo de Abóbora com pipoca

Hoje tem caldo de abóbora com acompanhamento especial no Cozinha!
caldo de abobora cozinharoman ptCaldo normalmente não tem muito segredo né? Sopinha cremosa, bem quentinha, boa pra noites frias… Nas festas juninas é bem comum a gente encontrar cumbucas de caldo de feijão, caldo verde, canjiquinha amarela, mas o de hoje quase nunca. O que é uma pena porque ele é uma ótima opção, muito fácil de fazer, e que pode ou não levar carne.
Falo isso porque quem quiser pode acrescentar carne seca desfiada ou mesmo pedacinhos de linguiça que combinam muito bem com a abóbora. Mas pra quem não quiser colocar carne, o caldo sozinho já é uma delícia: levemente adocicado pela abóbora mas com uma picância bem suave por conta do gengibre e da páprica.

E pra compartilhar dicas boas o acompanhamento desse caldo é ligeiramente inusitado: pipoca! Ela entra no lugar dos torresmos ou os countrons que acrescentam textura aos caldos. Como o de hoje já é bem temperado eu deixei usei uma pipoca simples, só com sal mesmo. Mas uma opção é combinar os temperos dos dois, por exemplo fazendo um caldo mais perfumado e deixando a páprica para a pipoca. Por aqui já apareceu dica pra deixar a pipoca bem temperada, lembram?
caldo de abobora cozinharoman pt2Caldo de abóbora com pipoca

1 cebola média
6 xícaras de abóbora descascada em cubos*
2 xícaras de batata inglesa descascada em cubos
2 xícaras de água quente
azeite
Sal
Páprica doce
Gengibre em pó
Pipoca a vontade pra servir

*vale a abóbora da sua preferência, nesse aqui usei a abóbora de pescoço

Pique a cebola em cubinhos e leve para uma panela grande com o azeite. Quando a cebola estiver dourada junte os cubos de abóbora e batata e refogue rapidamente. Acrescente a água já quente e deixe cozinhar até que tudo esteja bem macio. Bata essa “sopa” no liquidificador, ou no processador, até ficar um creme bem liso. Volte para a panela e tempere com o sal, a páprica doce e o gengibre em pó. Deixe reduzir até adquirir a consistência desejada e acerte o tempero. Sirva com a pipoca.
caldo de abobora cozinharoman pt3———————
Em 2015: Pão de batata baroa

Salvar

Salvar

Salada de grão de bico

Cozinha de volta!!! (com toda a parte elétrica renovada enfim…) E pra celebrar vai ter é saladinha light de grão de bico mesmo…
salada de grao de bico coznharoman ptBaita plot twist né? Minha vontade era voltar com uma mega receita, super elaborada, com cara de sobremesa de festa! Mas a realidade é cruel e uma saladinha fácil de adaptar foi o que deu pra sair. Mas gente, juro que é salada mas é gostosa tá?
A base é grão de bico e aí dá pra acrescentar o que quiser, a de hoje é só uma sugestão de temperos que funcionam bem. (ou uma desculpa esfarrapada porque eu tava doida pra voltar a postar…rs)
Pra quem procura uma salada mais colorida ainda, eu tive a ideia de fazer a minha depois de ver essa aqui lá no Presunto Vegetariano.
salada de grao de bico coznharoman pt2Salada de Grão de Bico

grão de bico
cenoura
salsinha
sal
limão
cominho em pó

Se você usar grão de bico em lata pode pular esse parágrafo. Pra quem usa cru é bom saber que tem que deixar de molho antes. Então escolha um punhado, uma xícara mais ou menos, de grãos e deixe de molho numa vasilha com água durante toda a noite (ou umas 8h). Passado o tempo escorra a água do molho e coloque pra cozinhar em água com sal até ficarem quão macios vocês quiser. Se você tem medo de panela de pressão não preocupa que não precisa tá?
Grãos cozidos é só ralar uma cenoura e misturar com os grãos e bastante salsinha! Por fim tempere com sal, limão e um pouco de cominho (vai por mim!).

————————————–
Em 2015: Torta de banana caramelada (boa pro frio que chegou!)

Salvar

Couve-flor gratinada – Drops

O drops de hoje é daqueles que fazem vista na mesa, mas é super fácil e cai na categoria do invente o que quiser. Afinal, dá pra rechear essa couve-flor gratinada com o que vier a mente.
Essa receita apareceu pra mim num vídeo no facebook, e sofreu algumas adaptações pra atender os gostos da família. Ganhou presunto, perdeu a cebola… esse tipo de coisa.
E como eu disse, dá pra você fazer do jeito que preferir, inclusive deixando a receita vegetariana.
Eu achei interessante porque todas as receitas de couve-flor gratinada que já tinha visto era com ela em pedaços, e essa dá um visual legal no final. Minha única ressalva é ficar de olho na couve-flor durante o cozimento, se ela ficar macia demais pode acabar quebrando toda na hora de rechear. Deixe ao dente, já é o suficiente pra ficar gostosa e fácil de montar.
couve flor gratinadaCouve-flor gratinada – original aqui

1 mega couve-flor
mussarela em tubos
presunto em tubos
pimentões coloridos em fatias
requeijão
muito queijo parmesão ralado
temperos a vontade – usei curry e cominho

Limpe as folhas e depois cozinhe a couve-flor inteira, você pode fazer isso tanto em água com sal quanto no vapor. Só lembre de virar a couve-flor pois como ela estará inteira corre o risco de cozinhar demais um lado e de menos o outro caso não vire.
Coloque-a em uma travessa e coloque a mussarela, presunto e os pimentões, ou o que você tiver escolhido, entre os floretes. Tempere tudo com um pouco de sal e os temperos escolhidos e cubra com requeijão. Por fim cubra tudo com o parmesão ralado e leve ao forno até gratinar.

PS: Esse post só tem uma foto, e meia boca ainda por cima, por motivos de estávamos com  muita fome e o cheiro tava muito bom pra parar pra tirar foto….

————————————————-

Em 2014: Bolo de Abóbora